Rosana Blogueira

domingo, 17 de maio de 2015

Eu te amo, Rio! Um guia para os "amorados" - como eu - pela Cidade Maravilhosa!

O Rio de Janeiro a Dezembro...


   https://youtu.be/7eUuqLNiu1Q


      O Rio e suas carioquices                       
Segundo escritos de Feitosa dos Santos, em www.recantodasletras.com.br/cronicas, "a  carioquice é uma condição de: deixe-me viver a minha vida e procure viver a sua na intensidade que lhe couber. A tão falada carioquice não é inerente apenas a quem nasce na cidade do Rio de Janeiro, mas a todos os que residem ou adentram por  suas portas para -tão somente-curtir as belezas dessa cidade pra lá de maravilhosa".
Ainda, segundo ele, "para se ter essa condição, basta chegar à cidade carioca de São Sebastião do Rio de Janeiro e assumir a sua.  Há carioquice para todos os gostos, para todas as raças que adentrem por  nossa belíssima cidade.
Ser carioca é  ter a alma impregnada de carioquice, é desprezar os preconceitos, é acolher a todos, é ser livre para viver a vida como se bem queira.
Ser carioca e ter carioquice : é conhecer a Lapa, o bairro da Urca com o Pão de Açúcar e a sua praia; Copacabana e seu Forte; subir ao Corcovado e curtir o belíssimo visual; conhecer a Vista Chinesa, a floresta da Tijuca; visitar a Quinta da Boa Vista e o Maracanã; assistir ao pôr do sol no Arpoador e bater palmas; conhecer os monumentos arquitetônicos do Mestre Oscar Niemeyer; deslumbrar-se com o Jardim Botâncico, com a Lagoa Rodrigo de Freitas,e com toda a orla que a acompanha!
Assim como, curtir os botecos num giro gastronômico, seus quiosques,  os ambulantes nas praias com o mate, limonada e os carioquíssimos biscoitos de polvilho Globo. A tudo isto eu chamo de carioquice adquirida- por todos os que habitam ou visitam a cidade maravilhosa, que completa seus 450 anos de existência bem vivida".
E, sendo assim, eu só posso dizer que já assumi minha carioquice há muitos anos...foi amor à primeira vista! E é em homenagem ao Rio que hoje registro as minhas impressões,os  lugares por onde passei , nessa cidade  que me faz ser eu mesma e  liberta de tudo o que me deixa pra baixo e  que hoje me inspira a escrever sobre ela.
(...)
Sobre o “carioquês
Começo, antes  de mais nada,  como uma apaixonada pela nossa língua e suas variações,  a dizer que as gírias cariocas são “um arraso”, aliás não vejo cariocas utilizarem essa expressão. Paulistas cismam em dizer que falam o português mais correto do Brasil e sempre há de existir a tal “rixa” entre eles e os cariocas  rsrs . Soa esquisito aos meus ouvidos o “tu é maneira”, “tu vai ali”, “tu faz isso” mas já me habituei com algumas gírias e o x no lugar do s, gostoso de ouvir – goxxxxto muito! Me divirto quando dizem “saltar do ônibus “, “tô cheio de fome”, “vou virar no farol”, “tô bolado, merrrrmão” dentre tantas outras expressões. E o paulista logo se entrega ao dizer “Pô, meu, para de zoar comigo”... aí ele corre o risco de pagar mais caro por uma água de coco rsrs.
As gírias cariocas são o “maior barato”! (Ah, eles definitivamente não usam essa expressão  rs).
E vira e mexe ouço “Cara, Não é bolacha, é biscoito!” Aliás, bixxxcoito! Mas só consigo chamar de biscoito o famoso GLOBO, mesmo porque para paulistas e paulistanos biscoitos são esses assim, tipo de vento, sem recheio nenhum, esses de polvilho ou algo de farinha mais simplesinho, sabem? Uma passatempo, trakinas,  oreo  etc são bolachas mesmo, não conseguimos falar outra coisa!
Veja mais em:
http://acaradorio.com
Algumas dicas como fã da cidade
Há algum tempo frequento o Rio. A cada viagem, descubro novos lugares, pessoas interessantes e algumas  curiosidades . E nunca me canso de exaltar o estilo de vida dos cariocas com o qual muito me identifico - *além de amar a exuberância das belezas naturais, dos dias luminosos, claro!
E, apesar de a “crise” ter pego em cheio, o  Rio é pra todos os gostos e todos os bolsos-vale reforçar que na zona sul, local de lindas praias, os preços chegam a ser uma afronta. Mesmo assim,  a gama de opções é imensa. Vale lembrar  também que  o Centro da cidade e os  bairros da Zona Norte têm  precinhos bem mais em conta e todos com seu charme, sua bossa.
(...)
*Sou mais solar que lunar, embora ame a noite, a lua, as  estrelas  e  me entrego, por vezes,  ao fascínio da boêmia, sou daquelas que sempre acordaram  cedo para poder aproveitar o dia e, principalmente, o sol. E gosto de longas caminhadas, pra não dizer loucas, já que me atrevo a explorar tudo quanto é tipo de  lugar sozinha, incansavelmente. Portanto, não estranhem se aqui registrar e me deter mais aos passeios diurnos! Outra coisa, já fui um “bom garfo” e frequentadora assídua de restaurantes. Hoje sou mais contida e menos afeita a exageros,  então cito aqui os poucos lugares por onde passei pra degustar e sentir os prazeres da mesa carioca.Mas deixo referências de sites bons com dicas não só sobre bons restaurantes mas de outras tantas coisas pra se fazer na cidade maravlhosa, no Rio de Janeiro a Dezembro.
(...)
A despeito da violência, das tristes manchetes que anunciam o que moradores e turistas vivenciam na cidade por conta do descaso das autoridades dentre tantas outras coisas que assolam tanto lá quanto os grandes (e pequenos!) centros urbanos do país, o Rio me fascina  pela beleza e  "ferveção",   pela simplicidade, pelo   despojamento. A cidade inspira - e transpira - vitalidade, vida ao ar livre, vontade de viver intensamente. E, na mistura de povos vindos de toda a parte do mundo, exala o charme da liberdade infinita.
Não tive, enquanto turista,  em nenhuma estada por lá, qualquer tipo de aborrecimento nem fui vítima de assalto ou qualquer tipo de violência. O ideal é não ostentar nada de valor e carregar apenas o necessário. Infelizmente, não dá pra "dar mole" hoje em dia em nenhumr lugar, concordam?No Rio, não ando o tempo todo com celular  nem ostento nada. Dou  “pinta” de andarilha bastante despojada. Na praia levo o essencial – assim como os cariocas.
Sei do mau humor de parte dos atendentes no comércio- exceto os camelôs, sempre alto-astrais- e tiro de letra, descontraio e ainda os faço rir de montão. Com os taxistas,sei a hora de falar e a de ficar calada. Respeito regras da boa convivência e educação etc – a fama dos paulistas é sempre a de mal-educados, apesar de gastarem muito por lá. Aliás, eles não costumam colocar o lixo no lixo. Os cariocas têm um cuidado especial com esse quesito.

O ideal, para não errar, quando a passeio pela deslumbrante cidade, é levar pouca bagagem. Primeiro, porque no Rio não há inverno rigoroso. Segundo, que o que mais se vê por lá  são as famosas havaianas e rasteirinhas. Lógico que, para eventos mais formais, vai  bem o salto alto para as mulheres e um bom par de tênis ou mocassins  para os homens - mas sem exageros. Exageros são para os paulistas e para os turistas desavisados rsrs. Eu mesma já “paguei alguns micos” pelos excessos, inclusive de bagagem! Na verdade, cariocas gostam  mesmo é de chinelos de dedo, cabelos molhados...
Detalhe: não se iludam ao acharem que, por ser uma cidade praiana, veem-se – como bem observamos em praias paulistas - fora  da praia, mulheres em trajes sumários. As cariocas são naturalmente elegantes, charmosas, lindas. Talvez porque o Rio tenha sido capital do país ou porque cariocas se preocupem mais com a aparência-são conhecidos por se esmerarem em cuidados com o corpo-, percebe-se que, mesmo  com o clima de lá, mulheres –pelo menos na zona sul-chamam a atenção pela simplicidade, pelo estilo cool ( os homens idem) inconfundível. Dificilmente vcs toparão com  mulheres de biquíni  circulando pelas ruas - a não ser que sejam turistas!
Ah, não posso deixar de dizer que as leis “Seca e Anti-fumo”  ( experimentem jogar bitucas de cigarro no chão ou dirigirem alcoolizados!) lá são seguidas à risca e com policiamento ostensivo. E com multas pesadas!
(...)
Estar no Rio é topar com celebridades a todo instante. E os cariocas nem ligam pois estão acostumados a encontrá-los por toda parte, especialmente na zona sul, onde se concentram a maioria deles. Não é legal cercá-los, incomodando-os, pedindo autógrafos, fotos etc e tal. NENHUM carioca faz isso! Eu sei disso, tento evitar, mas é mais forte que eu e, durante minhas caminhadas pela orla e fora dela, ao cruzar com muitos deles, principalmente daqueles de quem sou fã, não resisto e sempre em voz alta digo o nome deles e faço uma reverência  ao que eles me retribuem com largo sorriso. Desta última vez, em abril,  durante o dia, na Visconde de Pirajá, encontrei os atores Zezé Polessa e Tato Gabus Mendes despojaaaados...fui caminhando e falando alto pra eles o quanto eles estavam bem. Em outro momento, ao amanhecer de um domingo, após a missa por ocasião do dia de São Jorge, às 10 h da manhã, andando pelo calçadão no Posto 9 , dei de cara com o cantor-ator  “Seu” Jorge caminhando, impavidamente elegante...qual o quê, não deu outra:  lasquei-lhe  um sonoro e retumbante “SAAAAALVE  JOOORGE” acompanhado de gesto reverenciador, ao que ele me escancarou  um sorriso imenso com aqueles dentes alvíssimos, aquele olhar liiindoo. Rsrs. Na madrugada seguinte, caminhando com meu amigo Vini do Amaral pela Vieira Souto, avistamos  conversando pela calçada, três mocinhos de camisetas pretas, um deles com violão. Eu e Vini estávamos a divagar sobre a energia do Rio,  após jantarmos  e, de repente, um olhando pro outro exclamamos um “acho que conheço esses caras”...e era o Rogério Flausino com dois integrantes do  Jota Quest, banda de que eu gosto muito! Dessa vez, me contive mas é raro eu ficar quieta. Pura emoção...eles estavam tão “de boa”, talvez como nós, enlevados com a madrugada de outono em uma avenida- naquele momento - silenciosa, em uma cidade tão mágica.
(...)
Veja mais sobre as carioquices em:
http://diariodorio.com/um-declaracao-de-amor-ao-rio-por-rica-perrone/#prettyPhoto
Sobre o Rio que conheço como “turista”
Nesses meus  escritos, deixo  algumas dicas sobre o pouco do muito que se tem pra fazer (e falar)  do Rio. Deixo explícita a minha paixão por uma cidade que sempre me traz sorte. Muito já foi dito, muito há pra se falar em verso, em prosa. Muito há para se registrar em fotos, vídeos. Cada qual com sua impressão. São muitos os momentos, são muitos os lugares...
Nem todos têm a sorte de escaparem dos sobressaltos que a cidade do Rio – como tantas outras deste nosso extenso país- impinge. Muito se fala – e se vê!- sobre o  perigo de estar por lá, principalmente na temporada - mas diante das últimas manchetes, moradores também têm sofrido e vivenciado na pele, ataques de bandidos a qualquer hora do dia ou da noite, em lugares que antes eram bem mais tranquilos. A mídia escancara no dia a dia as mazelas, a violência, o descaso das autoridades, entre outras tantas coisas assustadoras.Como disse anteriormente e sempre enfatizarei é que nunca  tive o desprazer, o infortúnio  de vivenciar algo que estremecesse essa minha deliciosa relação com o Rio. E, quando  pra lá vou, fico de quinze a vinte dias , sempre em abril e novembro. Fujo do Reveillon e do Carnaval, hoje em dia. E sei que só morando lá pra saber e sentir o que é a cidade. Como dizem, vejo com olhos de uma turista paulista andante “amorada”, apaixonada pela cidade. E ainda com sorte nessas minhas andanças, graças ao meu generoso e bom Deus e a alguns hábitos preventivos! E continuo acreditando no Maktub! Se eu me deixasse contagiar pelo caos em que se encontra o país(e o mundo!), nem colocaria os pés fora de casa.
Enfim, com vcs, a Cidade  que, pra mim, ainda é inspiradora!
Momentos Inspiradores
Alguns escritos cantados e  contados  em verso e  prosa sobre o Rio
Os textos, videos  e sites abaixo expressam fielmente o espírito do carioca:
https://youtu.be/Bzqfji_3Pm4
https://youtu.be/51ENgjn7epc
Vinicius de Moraes, carioca da gema, opina quando da polêmica mudança da capital federal para Brasília,.  A crônica abaixo, bem- humorada , do final da década de 50, retrata bem o espírito de sua gente e da cidade.
Estado da Guanabara
Um repórter me telefona, eu ainda meio tonto de sono, para saber se eu achava melhor que o Distrito Federal fosse incorporado ao Estado do Rio, consideradas todas as razões óbvias, ou se preferia sua transformação no novo Estado da Guanabara. Sem hesitação optei pela segunda alternativa, não só porque me parece que o Distrito Federal constitui uma unidade muito peculiar dentro da Federação, como porque vai ser muito difícil a um carioca dizer que é fluminense, sem que isso importe em qualquer desdouro para com o simpático estado limítrofe. O negócio é mesmo chamar o Distrito Federal de Estado da Guanabara, que não é um mau nome, e dar-lhe como capital o Rio de Janeiro, continuando os seus filhos a se chamarem cariocas. Imaginem só chegarem para a pessoa e perguntarem de onde ela é, o ela ter de dizer: "Sou guanabarino, ou guanabarense"... Não é de morte? Um carioca que se preza nunca vai abdicar de sua cidadania. Ninguém é carioca em vão. Um carioca é um carioca. Ele não pode ser nem um pernambucano, nem um mineiro, nem um paulista, nem um baiano, nem um amazonense, nem um gaúcho. Enquanto que, inversamente, qualquer uma dessas cidadanias, sem diminuição de capacidade, pode transformar-se também em carioca; pois a verdade é que ser carioca é antes de mais nada um estado de espírito. Eu tenho visto muito homem do Norte, Centro e Sul do país acordar de repente carioca, porque se deixou envolver pelo clima da cidade e quando foi ver... kaput! Aí não há mais nada a fazer. Quando o sujeito dá por si está torcendo pelo Botafogo, está batendo samba em mesa de bar, está se arriscando no lotação a um deslocamento de retina em cima de Nélson Rodrigues, Antônio Maria, Rubem Braga ou Stanislaw Ponte Preta, está trabalhando em TV, está sintonizando para Elizete.

Pois ser carioca, mais que ter nascido no Rio, é ter aderido à cidade e só se sentir completamente em casa, em meio à sua adorável desorganização. Ser carioca é não gostar de levantar cedo, mesmo tendo obrigatoriamente de fazê-lo; é amar a noite acima de todas as coisas, porque s noite induz ao bate-papo ágil e descontínuo; é trabalhar com um ar de ócio, com um olho no ofício e outro no telefone, de onde sempre pode surgir um programa; é ter como único programa o não tê-lo; é estar mais feliz de caixa baixa do que alta; é dar mais importância ao amor que ao dinheiro. Ser carioca é ser Di Cavalcanti.

Que outra criatura no mundo acorda para a labuta diária como um carioca? Até que a mãe, a irmã, a empregada ou o amigo o tirem do seu plúmbeo letargo, três edifícios são erguidos em São Paulo. Depois ele senta-se na cama e coça-se por um quarto de hora, a considerar com o maior nojo a perspectiva de mais um dia de trabalho; feito o quê, escova furiosamente os dentes e toma a sua divina chuveirada.

Ah, essa chuveirada! Pode-se dizer que constitui um ritual sagrado no seu cotidiano e faz do carioca um dos seres mais limpos da criação. Praticada de comum com uma quantidade de sabão suficiente para apagar uma mancha mongólica, tremendos pigarreios, palavrões homéricos, trechos de samba e abundante perda de cabelo, essa chuveirada -- instituição carioquíssima restitui-lhe a sua euforia típica e inexplicável: pois poucos cidadãos poderão ser mais marretados pela cidade a que ama acima de tudo. Em seguida, metido em sua beca de estilo, que o torna reconhecível por um  outro carioca em qualquer parte do mundo (não importa quão bom ou medíocre o alfaiate, de vez que se trata de uma misteriosa associação do homem com a roupa que o veste), penteia ele longamente o cabelo, com gomina, brilhantina ou o tônico mais em voga (pois tem sempre a cisma de que está ficando careca) e, integrado no metabolismo de sua cidade, vai a vida, seja para o trabalho, seja para a flanação em que tanto se compraz.
Pode-se lá chamar um cara assim de guanabarino?

Texto extraído do livro "Para Viver Um Grande Amor", Livraria José Olympio Editora – Rio de Janeiro, 1984, pág. 185.
(...)
Não consegui saber o autor do texto abaixo, extraído de:
http://acidezmental.xpg.uol.com.br/sercariocae.html 
“Que me perdoem os paulistas, mineiros, gaúchos  etc
Mas uma das melhores coisas da vida é ser carioca
Vocês não precisam ter nascido no Rio de Janeiro para serem  cariocas
Basta terem o espírito carioca.
Mas como é ter o 'espírito carioca'?
É assim:
Chamar todo mundo de "meu querido" ou "minha querida", mesmo quem nem se conhece
Começar qualquer conversa com "olha só"
Ser marrento...afinal, OLHA SÓ como é linda a cidade onde a gente nasceu!!!
Dar inveja nos "não cariocas" pelo simples fato de “sermos cariocas”
Indignar-se com a inveja dos "não cariocas" com o nosso habitual "faaala sério"
Tratar tanto homens quanto mulheres de "Cara" sem que isso seja considerado afronta
Ter certeza de que o  Rio é a cidade mais linda do mundo
Falar com o "R" arrastado e com o "S" com som de "X" e exagerar ainda mais quando um paulista estiver por perto
Chegar na balada só depois da meia - noite                          
Poder abraçar e beijar os amigos sem ser chamado de  viado
Sair para a night de havaianas e cabelo molhado
Agir com naturalidade ao encontrar artistas da Rede Globo na rua, praia, supermercado, farmácia, feira, busão etc.
Saber que as maiores torcidas do mundo estão aqui!
Saber que o maior estádio do mundo é o Maracanã
Saber que a maior floresta urbana do mundo é a Floresta da Tijuca
Saber que a maior favela do mundo é a Rocinha
Entender por que a  maioria dos estrangeiros acham que o Rio de Janeiro é a capital do Brasil
Aplaudir o pôr do sol no Arpoador
Beber no AM/PM antes da night
Comer na Pizzaria Guanabara depois da night
Parar no meio da night estrategicamente no Bar do Osvaldo e depois chegar na boate à uma da manhã
Ver o nascer do sol na praia depois da night
Ficar feliz quando começa o horário de verão, porque isso significa uma hora a mais na praia
Buzinar assim que o sinal abre
Torcer para alguma escola de samba, mas viajar no carnaval por que a cidade fica cheia de paulistas e argentinos
Sair na Banda de Ipanema, Monobloco, Suvaco do Cristo, Simpatia é quase Amor, Bloco da Preta e em outras 87 bandas em quatro dias sem perder o pique
Ir à praia sempre no mesmo lugar
Acampar na Ilha Grande pelo menos uma vez na vida
Odiar os argentinos que vão para Búzios nas férias e tratam as brasileiras como lixo
Odiar argentinos que infestam o Rio de Janeiro no verão, enchem o saco, dormem na rua como mendigos, sujam toda a cidade e tratam as cariocas como se fossem todas prostitutas
Ficar muito puto da vida quando os turistas acham que as cariocas são, na maioria,  prostitutas
Passar horas na academia, nem que seja fazendo social
Ir ao shopping fazer compras e não fazer social, porque isso é coisa de  paulista
Ter amigos no condomínio onde mora
Ter amigos na academia onde malha
Fazer amigos na praia
Fazer amigos até nas filas de supermercado
Saber que as obras do "Rio Cidade" foram desnecessárias, mas até que ficaram bonitinhas
Odiar a atual situação das praias da Zona Sul
Estar sempre perto de uma favela
Morrer de rir ao ver paulistas dançando funk na televisão, como se essa fosse a última moda
Não sair do Rio por causa da praia e nunca ir à praia porque basta  saber que ela está ali, bem pertinho
Usar a frase “a gente se fala” para quem você sabe que nunca mais vai encontrar
Se emocionar e aplaudir o pôr do sol
Ter certeza de que esta é a cidade mais linda do mundo, mesmo sem conhecer nenhuma outra
Beber Mate Leão na praia (meio a meio, mate e limão)
Comer biscoito Globo na praia
Usar os engarrafamentos para comprar biscoito Globo e apreciar a paisagem
Tomar Mate sempre que estiver com sede
Beber mate GELADO (Mate quente é coisa de gaúcho)
Praticar esportes aquáticos e não aquáticos todos os dias
Adorar São Paulo, afinal, lá tem avião a cada 30 minutos pro Rio
Ficar feliz quando o BOPE mete bala em cabeça de bandido
Dar informações precisas a turistas perdidos, mesmo se esses turistas forem paulistas
Tirar os casacos do armário assim que a temperatura baixa a 24 C e achar que está a maior “friaca”
Comer pizza com catchup e mostarda ,sim, e não se importar com o que os paulistas acham
Comer o sanduíche de lombinho com abacaxi do Cervantes depois da night
Não ter hora de ir pra praia nem ter hora pra sair
Ver o nascer do sol na praia depois da balada
Somente usar boné e/ou óculos escuros durante o dia e quando estiver fazendo sol
Admirar e seguir os ensinamentos do * 'Profeta Gentileza'
Ter ódio mortal dos pichadores que vandalizam os murais do Profeta Gentileza
Usar o aeroporto apenas quando vai viajar e não como ponto turístico
Sair da Faculdade na segunda-feira e passar no Baixo-Gávea pra tomar uma gelada
Levar raramente um isoporzinho para a praia mas sem fazer farofa nem pagar mico nem sujar a praia, recolhendo todo o lixo
E por último, o mais importante:
AMAR INCONDICIONALMENTE O RIO DE JANEIRO
Mesmo quem não tenha nascido aqui e, principalmente,
Amar e respeitar muito a cidade porque, mesmo com todos os seus problemas, ela é a CIDADE MARAVILHOSA!!!!!!”

*José Datrino, mais conhecido como Profeta gentileza (Cafelândia, 11 de abril de 1917 – Mirandópolis, 29 de maio de 1996)1 , foi uma personalidade urbana carioca, espécie de pregador, que se tornou conhecido por fazer inscrições peculiares sob um viaduto situado na Avenida Brasil, na zona portuária do Rio de Janeiro, onde andava com uma túnica branca e longa barba. "Gentileza gera gentileza" é sua frase mais conhecida.

....
Texto de Rica Perrone
"Faz 1 ano. Desembarquei com esposa, cachorro e umas malas. A mudança veio no dia seguinte. Levei 33 anos imaginando “como seria”, e agora tenho 1 ano pra contar “como foi”.
O Rio de Janeiro é a minha Paris. Eu não sonho com a tal de torre, nem me importo com o Louvre e nem acho do cacete tomar café naquela tal de Champs-Élysées. Eu acho charmoso ir à praia de Copacabana, tomar cerveja de chinelo no Leblon e ir a um samba numa grande escola.
Sou paulista, nunca tive rivalidade bairrista em casa. Nunca me ensinaram a odiar o estado vizinho, ao contrário, sempre me foi dada a ideia de que estando no Brasil, estou em casa.
Ouvi mil mentiras e outras mil verdades sobre o Rio enquanto morei em São Paulo. Todas justas no final das contas.

Carioca exagera tudo, pra baixo e pra cima. Se elogiar a praia, ele exalta dizendo que é “a melhor praia do mundo”. Se falar que é perigoso, ele não nega. Diz que é “perigoso pra caralho”.
Trata sua cidade como filho. Só ele pode falar mal.

Cariocas não marcam encontro. Simplesmente se encontram.
A confirmação de um convite aqui não quer dizer nada. Você sugere “Vamos?”, eles dizem “Vamo!”. O que não implica em ter aceitado a sugestão.
Hora marcada no Rio é “por volta de”! Domingo é domingo. E relaxa, irmão. Pra que a pressa?
Em 5 minutos são amigos de infância, no segundo encontro te abraçam e já te colocam apelidos.
Não te levam pra casa. Te  convidam pra rua. É curioso. Mas é que a “rua” aqui é tão linda que se trancar em casa é desperdício.
Cariocas andam de chinelo e não se julgam por isso. São livres, desprovidos de qualquer senso de sofisticação.
Ao contrário, parecem se sentir mal num ambiente formal e de algum requinte.

“Porra” é um termo que abre toda e qualquer frase na cidade. Ainda vou a uma Igreja conferir, mas desconfio que até missa comece com “Porra, Pai nosso que estais…”.
Cariocas são pouco competitivos. Eu acho isso maravilhoso, afinal, venho da terra mais competitiva do país. E confesso: competir o tempo todo cansa.
Acho graça quando eles defendem o clube rival pelo mero orgulho de dizer que “o futebol do Rio” vai bem. Eles nem notam, mas às vezes se protegem.
Eles amam essa porra. É impressionante.

Carioca é o povo mais brasileiro que há, mas que é tão orgulhoso do que é que nem parece brasileiro.
Tem um sorriso gostoso, um ar arrogante de quem “se garante”.
Papudos, malandros, invocados. Faaaaalam pra cacete. E sabem que estão exagerando.
Eles acham que sabem o que é frio. Imagine, fazem fondue com 20 graus!

A Barra é longe. Búzios é  logo ali!
Niterói é um pedaço do Rio que eles não contam pra turista. Só eles aproveitam.
Nilópolis é longe. Bangu também.
Madureira é um bairro gostoso. O Leblon vale os 22 mil reais por metro quadrado, sugeridos pelos corretores. Aliás, corretores no Rio são bem irritantes.

Carioca, num geral, acha que está te fazendo um favor mesmo se estiver trabalhando. É tudo absolutamente pessoal, informal.
Se ele gostar de você, te atende bem. Se não, não.
Tá com pressa? Vai se irritar. Eles não têm pressa pra nada.
Sabe aquela garota gostosa que sabe que é gostosa? Cariocas sabem onde moram.
O bairrismo deles é único. Nem separatista, nem coitadinho. Apenas orgulhoso. Ao invés de odiar um estado vizinho, o sacaneiam e se matam de rir de quem se ofende.

Cariocas têm vocação pra ser feliz.
São tradicionais, não gostam que o mundo evolua. Um novo prédio no lugar daquele casarão antigo não é visto como progresso, mas sim com saudades.
São folgados. Juram ser o povo mais sortudo do mundo.
E quem vai dizer que não?
No Rio você vira até mais religioso. Aquele Cristo te olhando  todo santo dia, de braços abertos. Não dá! Você começa a gostar do Cara!

E aí vem a sexta-feira e o dom de mudar o ambiente sem mexer em nada. O Rio que trabalha vira uma cidade de férias. As roupas somem, aparecem os sorrisos à toa, o sol, o futebol, o samba, o Rio.

Já ouvi um cara me dizer um dia que o “Rio é uma mentira bem contada pela mídia”. Ele era paulista, odiava o Rio, jamais tinha vindo até aqui.
E é um cara esperto. Se você não gosta do Rio de Janeiro, fique longe dele.
É a única maneira de manter sua opinião.

Em quase toda grande cidade que vou noto uma força extrema para fazer o turista se sentir em casa. Um italiano em São Paulo está na Itália dependendo de onde for. Um japonês, idem. Um argentino vai a restaurantes e ambientes argentinos em qualquer grande cidade.
No Rio de Janeiro ninguém te dá o que você já tem. Aqui, ou você vira “carioca” ou vai perder muito tempo procurando um pedaço da sua terra por aqui.
Não é verdade que são preconceituosos. É preciso entender que o carioca não se diz carioca por nascer aqui. Carioca é um perfil.
Renato, o gaúcho, é um dos caras mais cariocas do mundo.
Tem todo um ritual, um jeitinho de se aproximar.
Chame o garçom pelo nome, os colegas de “irmão”. Sorria, abrace quando encontrar. Aceite o convite, mesmo que você não vá.
Faça planos para amanhã, esqueça-os  dez  minutos depois. Faça amigos, o máximo de amigos que conseguir.
Quanto mais amigos, mais cerveja, mais risadas, mais churrascos, mais carioca você fica.
E quanto mais carioca você é, mais você ama o Rio. Como eles.
Gosto deles. Gosto de olhar pra frente e não ver onde acaba. Gosto de sol, de abraço, de rir muito alto e de não me achar um merda por estar sem grana.
Gosto de como eles se viram.
Gosto da simplicidade e da informalidade que os aproxima do amadorismo.

A vida não tem que ser profissional.
Tem que ser gostosa.
E de gostosa, convenhamos, o Rio tá cheio.
Ops! Desculpa, amor! Escapou.

abs, merrrrmão!
Não consegui saber o autor do texto acima, supostamente pode ser de Ana Lúcia, cujo blog é:
Um tour pela cidade
Claro está que meu blog não é sobre o Rio de Janeiro. Apenas tive a vontade de registrar parte de minhas incursões por lá. No Rio, há  muitas outras coisas e lugares- lindos, charmosos, de uma simplicidade comovente; outros, exuberantes, chiquérrimos, luxuosos - mas  em todos eles nota-se o despojamento e o jeito de ser do carioca, marca registrada da cidade. Sem contar que a parte cultural tem se aprimorado e já não fica tão atrás de grandes metrópoles: há bons cinemas e muito bons teatros-com vasta e intensa programação.
E há bons shoppings para alegria de paulistas e paulistanos além de boa gastronomia.
Quanto a praias, há as  impróprias para banhos, mas há boas e intensas atividades à beira-mar, além de bairros legais. Botafogo está se tornando um bairro interessante por demais. Flamengo-vale a visita ao Aterro- é delicioso em família e com amigos. Ir ao Centro da cidade é uma viagem na história. O Saara e o Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas merecem um dia todo dedicado  à andança e experimentações. A Ilha do Governador , a Marina da Glória - há o Boatshow  evento-feira náutica, um dos inúmeros eventos a que pude visitar e é sensacional- e  o Jóquei Clube  valem uma visita aos sábados à tarde.
Laranjeiras, onde fica o Palácio Guanabara é uma graça, com suas ruas e praças arborizadas.O Largo do Machado, o Catete, Tijuca e a Glória têm um quê de cidade do interior, a despeito do movimento.
As praias são pra todos os gostos e sempre as mais badaladas são Copacabana, Ipanema, (o baixo) Leblon e Barra.
Eu geralmente fico em Ipanema-e adoro o Posto 9-, local pelo qual sou apaixonada desde sempre. Mas desta vez eu quis me testar e desbravar novas aventuras: fiquei no Leme, Posto 1, próxima à Babilônia-sim, na favela pacificada! Aliás, a dica foi do meu filho, amante das aventuras, como eu!
E, me pondo à prova, subi e desci o morro –  *por sinal, com ruas e ladeiras todas bem pavimentadas, com boa infraestrutura e nada remete a um cenário miserável!- e descobri pessoas  maravilhosas e visual deslumbrante, com o Rio de Janeiro aos meus pés! Além de,  claro,  presenciar algumas gravações de algumas cenas da novela das 9, rodadas tanto na Babilônia quanto no Posto 1, próximo à Pedra do Leme, com os globais!
*Não conheci as outras favelas (sic) digo, comunidades. Dizem que a da Rocinha e do Vidigal estão complicadas. Visitas são feitas em grupos por agências especializadas nesse tipo de turismo, já que a gringaiada ama muito tudo aquilo que, pra eles, é exótico, instigante pra não dizer fascinante! Na Babilônia, a convivência é pacífica por demais. Dizem que é por conta do policiamento ostensivo 24h. Tive a oportunidade de conversar longamente – hahaha tipo entrevista mesmo!- com policiais que me relataram o dia a dia que, segundo eles, é “suave “demais por lá, sendo que a comunidade colabora muito, respeita-os  etc e tal. O aluguel de uma casa lá  no Morro, com um dormitório, gira em torno de 800 a 900 reais e há gente na fila de espera...só o visual já compensaria! rsrs
No Morro,  frequentei o Bar do Alto, o Bar das Estrelas da Babilônia, rodas de Samba, de Chorinho. Participei da Feijoada e de outros roteiros gastronômicos com preços absurdamente em conta, fiz amizade com pessoas incríveis- dentre elas, músicos e artistas plásticos-, além de conhecer muitos “gringos”. E pude constatar “in loco” o quão  desencontradas - pra não dizer distorcidas-  são as informações da mídia, tanto escrita quanto falada.
Como sabem, adoro deixar minhas impressões por escrito e a minha inspiração vem de cada registro por onde passo, do que vejo e do que sinto. E posso lhes garantir que andava eu a qualquer hora do dia ou da noite sozinha  ou acompanhada pra todos os lugares sem ser incomodada e surpreendida por qualquer pessoa ou coisa tenebrosa rsrs. Claro é que, reforçando aqui, não ostento nada. Claro também que há policiais por toda a parte, exceto entre  Ipanema e Lagoa, cujo policiamento  fica a desejar, aliás motivo de reclamação de muitos. (Não presenciei  tumultos, arrastões, tiroteios...por sorte!)
O que mais tem no Rio é táxi.. um mar amarelo inundando avenidas e ruas. E barato, acreditem-pelo menos para nós, paulistas!
Detalhe: se vierem de avião, seja pelo  Santos  Dumont ou  Galeão, não peguem táxi no desembarque, cujos valores oscilam entre 50 a 90 reais até a zona Sul. Andei uma quadra e peguei um deles fora dessa área, no Santos Dumont. O valor é três vezes menor! Ah, e o Frescão, ônibus com ar condicionado que passa a cada 20 minutos em frente ao aeroporto, sai por 15 reais do Santos Dumont e 20 reais do Galeão!
Procurem comprar o jornal da cidade de sexta-feira para saberem das dicas culturais, gastronômicas, baladas e afins. Vcs encontrarão fartas informações!
Onde ficar:
Hostels que variam entre 27 a 200 reais, todos eles com café da manhã:
Hotéis para todos os bolsos:
Comes e bebes
Os preços são altos na orla, mas há boas ofertas em supermercados, se tiverem paciência de  pesquisarem. Há bares, padarias, adegas, botecos  e restaurantes pra todos os bolsos nessa região. E muuuito bons! E, na praia, não me pareceram exorbitantes os preços comparados com Guarujá, por exemplo, na  temporada. Água de coco, cerveja em lata, biscoito Globo, chá Mate no latão -não os de copinho que em qualquer lugar se acha – , gelado, imperdível,por exemplo, custam 5 reais. Como não sou de gastar na praia, além de usufruir do Globo e do Mate, levo minhas frutas frescas ou secas, um  mix de castanhas  ou um triângulo de gorgonzola rsrs.  Na praia, o  guarda-sol e a cadeira saem em torno de doze reais, mas paguei sete reais pelos dois  - fora da temporada- pechinchando. Se bem que pouco os uso, pois caminho muito o tempo todo.
Eu dei sorte porque estava acontecendo a semana do boteco e pude incursionar por alguns deles que, por sinal, tinham música ao vivo e de ótima qualidade.
Bar do Alto
Rua São Jorge, casa 4, Morro da Babilônia,Leme
De quarta a domingo, das 13h às 21h.
Realmente ele faz jus ao nome, preparem o fôlego pra subirem a Ladeira Ary Barroso, mas lhes garanto uma coisa: vcs não se arrependerão!!!Há a opção atenuante chamada moto-táxi no pé da Ladeira ou a Kombi ali na esquina da Rua Anchieta com a Rua Gustavo Sampaio, que  deixam os passageiros no final da ladeira ao lado da comunidade da Babilônia (atenção não é no Chapéu Mangueira!-que fica ao lado e também conhecida pelos bons botecos). No final da ladeira, vcs avistarão uma escadaria com o logotipo do Bar do Alto pichado nos degraus, portanto sigam a pichação até o final….se, mesmo assim, tiverem dificuldade, qualquer um dos simpáticos e solícitos moradores podem lhes informar! Do terraço encarapitado no Morro da Babilônia se avistam, em toda a sua extensão, as praias do Leme e de Copacabana, além das pequeninas Ilhas Cagarras ao fundo da cena.
Após subirem os 280 degraus da escada-siiiim, não é pra qualquer um! Rsrs-, que começa no fim da Ladeira Ary Barroso, recuperem o fôlego antes de pedir os excelentes  drinques do Chef Pituca, um deles feito de espumante, açaí e morango (R$ 20,00). Criação mais recente, a original combinação de vodca, Cointreau, xarope de melancia e espuma de rapadura é oferecida pelo mesmo preço. Podem acompanhar os bebes o apetitoso harumaki de feijoada (R$ 20,00, oito unidades) ou arepas (R$ 18,00, doze unidades), espécie de pãozinho de canjica servido com deliciosa “salsa” de tomate.
Eu gostei muuuito da lula à dorê e dos pastéis –deliciosos-, da moqueca mix, com arroz de coco e farofa no dendê como prato principal e para acompanhar qualquer um dos drinques divinos. Gostei também  do Drink do Alto – 12 reais (Suco de Tangerina, gelo, vodca e espuma de limão)! Um luxooooo!!!
Ao lado,à esquerda, o harumaki de feijoada. Depois dos bolinhos e pastéis, o rolinho é único no Rio e leva feijoada completa por dentro com couve, carne seca, paio e tudo mais.
Bar das Estrelas
Rua Dona Alexandrina 91B, Morro da Babilônia, Leme

Estrelas da Babilônia é um bar e espaço cultural localizado no alto do morro, no mirante do Morro da Babilônia , com uma vista deslumbrante para Copacabana e Corcovado.
O bar localiza-se em área segura da favela, administrado por um adorável casal belga e colombiano. Frequentado por moradores e turistas (mais gringos que brasileiros),  tem
músicas do mundo todo e uma vista  fantástica! O mais belo lugar do Leme para tomar uma cerveja, apreciar o pôr do sol e uma noite de luar! Uma das donas, a jovem  colombiana Bibiana é a simpatia em pessoa! E como sabe contar histórias!  Há petiscos e bebidas pra todos os gostos e, principalmente, por preços honestos!
Fui durante o dia e à noite e tive altíssimos papos com gente pra lá de legal! E,  tenham certeza, o local é impecável, inspirador e muito seguro!
Veja mais em: https://www.facebook.com/GuiaGastronomicoDasFavelasDoRio
Branche Restaurant, Bar & Lounge
Av. Atlântica, 2554 - Copacabana
De frente para a praia de Copacabana, o restaurante Branche, do Hotel Tullip Inn em  Copacabana,  com a cara do Rio e da bossa carioca, participava do Festival Boteco Chic, quando lá estive . Sua charmosa varanda de frente para o calçadão é um convite para aproveitar o menu com escondidinho de batata baroa com frutos do mar ou mix de pastéis com recheios brasileiros - aliás, experimentei os de carne-seca e o de três queijos – minas, gorgonzola e catupiry, tudo junto, misturado e derretido. São deliciosos! À La Carte, dentre várias opções, há os disputados Risoto de limão siciliano com camarões, Filé Oswaldo Aranha New Age  que são  servidos  belissimamente em um prato que enche os olhos. O atendimento é de primeira! Os garçons são super atenciosos! Pratos fartos, em média, por  50 reais, o que é um bom preço para o Rio. Linda vista. Nem parece restaurante de hotel!
Golden Tulip Continental- Restaurante Poty
Rua Gustavo Sampaio – 320, Leme
No coração do Leme, o Hotel Golden Tulip Continental é o queridinho dos cariocas. A especialidade do seu restaurante Poty é a cozinha contemporânea, oferecida em deliciosas criações num ambiente extremamente sofisticado e de bom gosto. Com opções de buffet  e à La Carte, o Poty é conhecido pelo farto café da manhã e o “brunch”  dos domingos. O carro-  chefe  do festival do Boteco é  o croquete de cordeiro confit com redução de gengibre e mostarda, além de um sanduíche de mortadela com creme de parmesão e molho chimichurri de pistache. O Cardápio fixo consta de: Linguiça artesanal na chapa com alho confit e cesta de pães; bolinho de risoto de açafrão, recheado com queijo coalho e servido com geléia de pimenta; sanduíche de pernil com chutney de abacaxi (releitura do Cervantes); mix de pastéis; biju de Tapioca com queijo minas- padrão e carne- seca na manteiga de garrafa; camarão com banana da terra e farofa de coco com castanhas; caldinho de feijão branco com crisp de couve e torresminho( 3 unidades de caldinho branco 2 unidades de caldinho preto) servido no copinho shot...eu fiquei com os caldinhos, acompanhados de um espetinho de camarão e um chopinho beeeem gelado e beeeem tirado!
Preços entre 30 e 120 reais.
Café da Manhã: de 06:00 às 10:00h
Almoço : das 12:00 às 16:00h
Jantar : das 19:00 às 22:30h
Bar  Garota de Ipanema
Rua Vinícius de Moraes, 49

É considerado ponto turístico na cidade, pois desde os tempos antigos é frequentado por grandes personalidades. O ambiente simples e descontraído atrai desde famílias à procura de uma feijoada nos fins de semana até grupos de jovens.
No cardápio, pratos tipicamente brasileiros. Destaque para bolinho de bacalhau, patinhas de caranguejo – fiquei com esses- e a picanha ,  com varias guarnições. Para beber, chopp e caipirinhas elaboradas.
Preços bons, pratos fartos. Preços de 10 – bebidas -  a 90  reais.


Bar do Mineiro
Rua Paschoal Carlos Magno, 99 - Santa Teresa
Noventa por cento dos cariocas são absolutamente apaixonados pelo Bar do Mineiro, um dos bares mais folclóricos da cidade, que fica num bairro de  carioquice  emblemática: Santa Teresa.
Do que eu gostei no Mineiro? O fato de ter todos os componentes que fazem um bar cair nas graças de um carioca ou de alguém com tal espírito: a extrema informalidade, o ambiente festivo, a presença constante do dono, o mineiro Diógenes Paixão e aquele clima de “pode chegar que a casa é sua”. Está tudo lá, como se espera de um bom botequim. Gostei  também de encontrar um cardápio onde brilham pratos como feijão tropeiro, carne seca com abóbora, tutu à mineira, vaca atolada, torresmos..E mais, uma coisa que nem todo bom botequim tem: o colorido cuidadosamente displicente de suas paredes, repletas de cartazes com referências culturais, objetos, fotos e artesanato interessante. Amei as várias marionetes que encarnam figuras como Cartola, Tim Maia, Carmem Miranda …infelizmente, agora, plastificadas.
Armazém São Tiago
Rua Áurea, 26 - Santa Teresa
Dizem ser o melhor boteco de Santa Teresa . O atendimento é ótimo,  a Carta de cachaças é incrível e os bolinhos são ótimos . A melhor opção é a porção mista com seis tipos  de bolinhos. A Costela Real também é uma ótima pedida , uma costela na forma de coroa, recheada com farofa!
O Armazém São Tiago, também popularmente conhecido como bar ou boteco do Gomes (de Santa Teresa, porque  existe um bar do Gomes na Lapa) é também muito frequentado pelos moradores do bairro e da favela por causa da localização. Portanto, se vcs não se sentem à vontade com a miscelânea de pessoas, prefira os bares/restaurantes com mais turistas, como o Bar do Mineiro e os outros próximos.


Bar da Urca
Rua Cândido Gaffrée, 205 - Urca

O melhor da tradição gastronômica carioca, resultado da influência direta da cozinha portuguesa e que resultou na chamada cozinha brasileira é uma descrição que define, em parte, a abrangência e qualidade dos pratos e petiscos oferecidos pelo Bar e Restaurante Urca-em cima restaurante, embaixo o bar.
Situado às margens da Baía de Guanabara em um dos mais belos cartões postais do mundo com vista para o Cristo Redentor e à entrada do histórico Forte São João, numa região privilegiada pela tranquilidade e segurança. Um conjunto harmônico, que, aliado ao atendimento de primeira, forma a receita com a qual os Gomes cativam seus clientes, sejam moradores do bairro, visitantes ou turistas brasileiros e estrangeiros.
Com seus frutos do mar e peixes sempre frescos e pratos como bobó de camarão, cozido à portuguesa, toda uma linha de bacalhau e petiscos como pastéis, empadas, caldos de frutos do mar e de feijão e sardinha frita, o Bar é uma
referência da gastronomia carioca.E está sempre cheio.Acontece que esperar, ali, diante de linda paisagem, não é um pr
oblema: o bacana é justamente se instalar junto à mureta em frente ao restaurante e ir petiscando quitutes de boteco, molhando a palavra com uma boa cerveja de garrafa e aproveitando a baita vista que se tem para a baía de Guanabara.
Eu fiquei com os pastéis de camarão e um chopinho, maravilhosos!
http://www.destemperados.com.br/experiencias/da-mureta-a-mesa-o-bar-urca
Bip Bip Bar
Endereço: Rua Almirante Gonçalves, 50 - Copacabana
A cerveja é apenas em lata. Nas marcas Brahma, Itaipava, Antarctica e Skol, a R$ 5,00 cada uma. Para beliscar, apenas porções de salaminho (R$ 14,00), provolone (R$ 12,00) e azeitonas (R$ 9,00). Garçom também não há. Mas ainda assim o bar está sempre cheio. E o motivo é simples. Por lá você encontra uma das melhores programações musicais da cidade, lembrada com um voto na edição deste ano do COMER & BEBER. O clima é tão inspirador que já virou até livro - Bip Bip, um Bar a Serviço da Alegria, de Francisco Genú, Luis Pimentel e Marceu Vieira, lançado em 2008. Músicos comandam excelentes rodas de choro às segundas e terças,
bossa -nova às quartas e samba às quintas, sextas e domingos. Já apareceram sem avisar nomes como Paulinho da Viola, Zé Renato e Geraldo Azevedo. Quem ousa aplaudir ou assobiar entre uma música e outra conhece a ira de Alfredo Jacinto de Melo, carinhosamente apelidado de Alfredinho. O proprietário da casa é famoso tanto pela generosidade quanto pela impaciência. É comum vê-lo dando bronca em clientes que atrapalham a roda ou ameaçam incomodar a vizinhança. Mas como festejar os artistas que mostram seu talento por lá? Faça como manda a cartilha do Bip: estalando os dedos.
Choperia Empório 37
R. Maria Quitéria, 37 - Ipanema

Reduto alternativo dedicado ao rock, a casa oferece, ocasionalmente na temporada, shows ao vivo no segundo andar. No cardápio figuram petiscos como a tábua dos bruxos (com torrada de alho, pães variados, uma pasta, dois frios, dois queijos e um molho), pizzas, sanduíches, petiscos tradicionais de bar e drinques como Sangria, Bloody Mary, Piña Colada, entre outros.
O chop é bem gelado, bem tirado e sai a 6,50 reais!
Amo esse lugar e me esbaldo na pequena pista, grudada no DJ - que sempre coloca as músicas que peço. Um lugar muito legal, pra ir acompanhada (o) ou não! Aliás, um lugar que me traz sorte e boas lembranças!


Balada 00
Avenida Padre Leonel Franca, 240, Gávea

A casa é um misto de restaurante, casa noturna, lounge e bar. Belisquetes e petiscos estão entre os destaques, como as bolinhas de peixe thai (discos de peixe branco com capim limão e grão de bico) e o espacial,  porção que reúne panelinhas de siri gratinado, camarões ao pesto, boursin de cabra, crostini de espinafre, passas e gorgonzola – de 25 a 40 reais.  Para a refeição principal, a casa indica o salmão sarado, um filé do peixe grelhado com berinjela, abobrinha, abóbora, cebola, tomate, passas e nozes e ervas da Provence – 110 reais.
De sobremesa, os chocólatras podem se deliciar com o petit gâteau em profusão de chocolate com frutas vermelhas marinadas e sorvete de baunilha, chamado jojo – 30 reais.
E eu apenas me esbaldei na Pista, com música deliciosa, acompanhada de cerveja bem gelada!rsrs.
Aos domingos à noite, o público é GLS.
Entrada: Mulheres, 40 reais; homens, 50 reais
Blue Agave Mexican Bar
R. Vinícius de Moraes, 71 Ipanema
 Comandado por dois chefs americanos, o bar tem inspiração no México, que aparece tanto no nome - de uma planta usada na fabricação da tequila - quanto no enxuto cardápio.
Da rua, a gente  observa o bar como quem vê um filme:  ponto de encontro de gringos perdidos nos trópicos, além das luzes coloridas na fachada, madeiras escuras e
iluminação suave. Música dançável e há  MPB. Degustei um delicioso burrito e um taco macio com carne, com direito a tigelinha de molho de tomate à parte. Entusiasmada, acrescentei enchiladas à minha degustação. Servidas com arroz e feijão, arremataram o lado “comes” com louvor. Para beber, claro, margherita. A casa oferece tequila, caipirinhas e cervejas.
Preços entre 10 a 80 reais.
Restaurante Fasano
Av. Vieira Souto, 80-Ipanema
www.fasano.com.br
Em um projeto com luz suave , o Fasano Al Mare Restaurante oferece uma gastronomia italiana de renome (com excelente peixe fresco e marisco), liderado pelo chef italiano detentor de 3 estrelas no Guia Michelin (e duas estrelas no Guia Quatro Rodas, a Michelin do Brasil). A adega apresenta uma excelente variedade de rótulos de produtores dos quatro cantos do mundo. O salão tem capacidade para 80 pessoas, podendo-se adicionar mais 12, para ser colocado em uma sala privada separada das tendas, e, além disso, há o terraço. O café da manhã é servido das 6:30-10:30h, almoço 12:30-15:00h e o jantar das 19:00 às 1:00h. O lounge bar Baretto Londra é um ótimo lugar para relaxar com uma bebida ao ritmo da bossa nova, todas as noites das 20:30h-02:00h da manhã. É um dos bares mais completos da cidade e os seus coquetéis são muito famosos. Nas paredes, pode-se admirar uma bela coleção de vinil 33.
A indicação do restaurante veio do meu amigo Vini do Amaral, que lá esteve por ocasião do seu niver e amou o lugar, o serviço e o cardápio. Em breve, lá estarei pra comemorar o meu aniversário.
A cozinha mediterrânea à base de peixes e frutos do mar fresquíssimos é a inspiração da casa, que ganhou o sobrenome "Al Mare" para homenagear o mar de Ipanema, bem em frente ao restaurante do requintado Hotel de mesmo nome.
Para começar a refeição, uma das dicas da casa é apostar nas mini -lulas com ervilhas e nhoque de azeitonas e bacalhau à mediterrânea.  Sem o couvert, sem  o famoso  creme Brulée, - sobremesa maravilhosa da casa- e devidamente acompanhados de um excelente espumante, vcs se despojam  tranquilamente de 400 reais.
Pra quem se dá o luxo de desfrutar de puro requinte, de atendimento impecável, de um lindo cenário “art decô retrô” e de um cardápio irrefutável, vale a pena! Porém, segundo dizem, nada se compara ao Fasano de Sampa.
Casa Vieira Souto-Restaurante, Wineclub &  Champanheria
R.Vieira Souto, 234-Ipanema
 Bom restaurante, que, apesar de ser italiano, tem opções de carne e frutos do mar.  A carta de vinhos é um pouco cara e não há vinho nacional!O fettuccine com molho de carne de pato e azeitonas sai por 63 reais.Ao olhar a entrada do casarão, ninguém imagina o quanto o salão do restaurante é espaçoso. A casa é dividida em 3 ambientes bem agradáveis, um de bar logo na frente (o forte são os champanhes e os petiscos), no salão principal, mais aos fundos, o restaurante e no segundo andar o wineclub .Achei o ambiente aconchegante e a decoração tradicional . Os  clientes podem ainda terem a  visão da cozinha, separada por vidro.
A casa estava cheia, fiquei no aperitivo: linguicinhas com melaço e gergelim(23 reais)
Seg a qui, das 19h à meia-noite. Sex, de 19h à 1h. Sáb, do meio-dia à 1h. Dom, do meio-dia às 18h.

Restaurante Miam Miam
Rua General Góes Monteiro, 34 –Botafogo
Miam Miam é a onomatopéia em francês para comida gostosa. E é exatamente isso que se experimenta neste premiado restaurante carioca, que consegue unir tradição e modernidade numa equilibrada mistura que se reflete em todos os detalhes.
O cardápio adotado pela chef Roberta Ciasca segue a linha da chamada “comfort food” – comida caseira com toques inovadores e apresentação caprichada. Os pratos servidos nos remetem às receitas tradicionais do dia a dia, trazendo à tona emoções e sabores do passado. Para acompanhar, a casa oferece vasta e inovadora carta de drinques elaborada por Danni Camilo e pelo barman João Jourdan.
O ambiente aconchegante do restaurante, montado num antigo casarão em Botafogo que pertenceu à avó de Roberta Ciasca, merece destaque. A decoração é um atrativo à parte, com móveis dos anos 50, 60 e 70, do antiquário Hully Gully.
O espaço é divido em  dois: o salão principal, com 30 lugares, e um lounge, onde o cliente pode esperar por uma mesa degustando drinques e entradas, ou simplesmente passar a noite toda ali, entre amigos, nos sofá e poltronas.
Eu e um amigo ficamos nos aperitivos-bolinhos com molho de gengibre e tapenade de aliche, acompanhados de burrata.O casal de que nos acompanhava ficou com o  arroz  basmati - arroz aromático de grão longo,bem leve, geralmente usado em pratos indianos com curry-com lascas de pernil assado, cebola crocante e abacaxi caramelado, acompanhados de uma taça de  Lambrusco delicioso – fica em 110 reais para duas pessoas.

Restaurante Rialto
Av. Min. Ivan Lins, 314, 2º andar,sobre o Barra Grill- Barra da Tijuca
http://www.rialtorestaurante.com.br
http://www.barragrill.com.br/achurrascaria.html
Ótimo custo-benefício. Ambiente espaçoso, bem decorado, aconchegante. Oferece massas, carnes, saladas variadas, comida japonesa, frios. Self-Service. Amei a fartura de opções,  a qualidade e o atendimento!
Almoço: 40 reais Jantar: 53 reais por pessoa
Horário de Funcionamento:

Diariamente, 11h30 até o último cliente.
Para quem ama carnes, veja mais em:

http://www.tripadvisor.com.br/Restaurants-g303506-c37-Rio_de_Janeiro_State_of_Rio_de_Janeiro.html
Praça Euvaldo Lodi, 65 – Jardim Oceânico, Barra da Tijuca
Eu e meu irmão

Excelente restaurante, comida muito boa, ótimo atendimento e ótimo custo-benefício !Pratos muito fartos, um prato grande de risoto de camarão (imperdível!), que serve 2 pessoas, na verdade serve umas 6 pessoas tranquilamente! O croquete de camarão com catupiry, a casquinha de siri, o bolinho de bacalhau são sensacionais! Pra duas pessoas – 110 reais
O da Ilha é ainda melhor! Lá, o camarão à milanesa, acompanhado de arroz com brócolis sai por 80 reais. Endereço: Praia do Galeão, 1 – Galeão
Para saber mais, sobre os melhores restaurantes de frutos do mar do Rio:    http://www.tripadvisor.com.br/Restaurants-g303506-c33-Rio_de_Janeiro_State_of_Rio_de_Janeiro.html
Restaurante e Pizzaria Pigalle
Av. Atlântica, 4226- entre Copacabana e Ipanema (Copanema)-Posto 6
É a segunda vez que vou até lá e opto pelo famoso  Rodízio de Petiscos -muito bom por 29,90 reais - Kani, ovos de codorna, camarão (dois pratos-alho e óleo e à milanesa, excelentes), gurjão de peixe, isca de abadejo, linguiça (boa),  carne assada, moela, queijo minas, azeitonas,  pastéis, batata calabresa, fritas (crocantes), frango à passarinho, torresmo, costelinha, bolinha de queijo, bolinho de bacalhau, bolinho de frango, mandioca
frita...ufa,  é muita coisa! O inconveniente – percebi isso dessa vez - é que eles serviram tudo de uma vez ,esfriou tudo muito rápido e realmente não deu pra degustar  todas as opções.
O atendimento não é lá essas coisas, mas a localização é ótima ( em frente à charmosa praia de Copacabana).  É uma experiência rara em minhas incursões pelas gulodices ( ou seriam  gordices?)
O chop é digno e extremamente gelado a 6,90 reais. Desta vez, optamos eu e meu amigo Vini do Amaral pela Tônica com limão e gelo rsrs
Para os amantes da culinária italiana, acessem: 
R. Domingos Ferreira, 221B – Copacabana - entre o Posto 4 e 5

As esfihas são maravilhosas, todos os sabores! O pão árabe delicioso feito na hora e tudo quanto é salgado árabe também feito na hora !! O quibe cru e o quibe assado com pinolis são fantásticos!Preço do chop super barato. Pratos fartos,em média 40 reais; o forte da casa é o Arroz com Lentilhas com cafta.
Há também o boteco Stambul em Ipanema e também na Barra. O de Copa é simples, espaço pequeno e é próximo ao Sesc
Bom atendimento, ótimo custo-benefiício.
Veja mais sobre restaurantes árabes:  http://kekanto.com.br/rj/rio-de-janeiro/restaurantes-arabes/38
Baalbeck Delícias Árabes
Av Nossa Senhora de Copacabana, 664 - Loja 17 -Galeria  Menescal-Copacabana
Excelente esfiha  e o ninho de damasco também é muito bom – 5 reais cada. O preço é razoável , principalmente diante dos aumentos astronômicos diários dos restaurantes da cidade. Essa lanchonete foi a pausa para minhas longas andanças. Há poucos lugares para se sentar. Come-se no balcão e o movimento é intenso o tempo todo! O que pega é o mau humor do caixa! rsrs
*Quiosque Skol 360 graus
Entre o Posto 1 e o Posto 2
Tive a sorte de estar em uma roda de samba com o excelente (ma-ra-vi-lho-so!!!) grupo Odara.
Cerveja beeeem geladaa a 5 reais!
*Quiosque Habibs
Posto 1 próximo à Rua Hilario Gouveia Posto 3
Esfihas a 1,47 e cerveja bem gelada a 5 reais a lata, qualquer marca.
*Há quiosques do posto 5 ao posto 12 que aceitam cartões de débito e crédito. E sempre há alguns mimos pra quem tem cartão com a bandeira Mastercard Platinum, do tipo guarda-sol e cadeiras gratuitos ou uma massagem zen oferecida eventualmente por algum profissional  renomado que se instala em tenda na praia, em temporada ou fora dela.
Veja mais:
Os melhores quiosques da orla do Rio em:
http://vejario.abril.com.br/materia/cidade/os-melhores-quiosques-da-orla-do-rio/

Néctar Lanchonete
R. Visconde de Pirajá, 183 (esquina da Farme de Amoedo)-Ipanema

Oferece café da manhã, lanches, saladas, brunches.
O shake de frutas vermelhas com sorvete de creme é delicioso, além das omeletes e saladas muito bem elaboradas.
Local simples, atendimento fica a desejar, preço razoável.
Valores entre 5 e 40 reais.


Confeitaria e Lanchonete Ipanema
R. Visconde de Pirajá, 325 (esquina com a rua Joana Angélica)

Essa padaria está, sem dúvida, entre os lugares mais movimentados do bairro de Ipanema. Com enormes balcões, o local cumpre tanto a função de padaria e confeitaria quanto a função de lanchonete. Há tanto produtos clássicos de padaria, como pães, bolos, frios, pão de queijo e cafés quanto produtos para lanches como sanduíches, salgados, açaí, sucos e vitaminas, mate, refrescos etc. Também é possível comprar tortas de aniversários que ficam expostas em vitrines giratórias. É um dos poucos lugares no Rio de Janeiro onde você encontra o queijo mineiro Madre de Deus, que é um queijo com qualidade diferenciada. O estabelecimento é frequentado tanto por moradores quanto por trabalhadores e frequentadores da praia.                    O antes e o pós-
-praia costuma deixar a Padaria e Confeitaria Ipanema lotada. A sorte é que o local é bem espaçoso e consegue dar conta do recado. O local é um clássico do bairro e merece uma visita!
A coxa-creme e o mil-folhas, ambos a 5 reais, são imperdíveis!



Confeitaria Martinica
R Visconde de Pirajá, 270-Ipanema

Uma das mais baratas, porém desta vez, encontrei-a fechada para reformas. Uma pena, porque o café da manhã dela é farto e bem em conta! E servem-se refeições. O atendimento não é dos melhores.


Pão e Companhia
R Raimundo Correia, 9 – Posto 4-Copacabana
Preços bons e produtos de primeira!
Atendimento Vip!



Café da manhã no  Copacabana Palace
Avenida Atlântica, 1702-Copacabana

Quem passa em frente ao Copacabana Palace sempre pensa: “Um dia ainda vou me hospedar aqui”. Com diárias bem salgadas, o sonho de entrar no hotel e se sentir dentro de todos aqueles momentos históricos e  “glamourosos” que já aconteceram ali pode estar mais perto do que se imagina.
Todos os dias-das 7 às 10.30h-, é possível tomar café da manhã no Copa, no restaurante Pérgula, ao redor da famosa piscina ou no luxuoso restaurante ao lado de hóspedes ou de outros
“passantes”, como eles chamam quem está ali apenas para o café. O preço continua salgado, mas nada comparado ao valor das diárias. Por 92 reais (mais 10% de serviço), você se delicia com os quitutes do hotel. É recomendado fazer reserva através do telefone 21 2548-7070. Eu, por exemplo, por pouco não consegui tomar o café na temporada de 2010 em que estive lá, já que o local estava lotado de hóspedes.
Aos sábados, o restaurante serve a famosa feijoada, com preço bem acima da média mas, segundo dizem, vale a pena!
Casa Cavé 
Rua Sete de Setembro, 137, Centro

A Casa Cavé é a confeitaria mais antiga da cidade maravilhosa - engana-se quem pensa que a confeitaria mais antiga da cidade é a Colombo! A Casa Cavê existe desde 1860, enquanto que a  Colombo  desde 1894 e mantém, em suas paredes, imagens do Rio Antigo,  uma verdadeira viagem no tempo.
Originalmente instalada num belíssimo prédio Art Nouveau,
tombado, na esquina das ruas Uruguaiana e Sete de Setembro (que hoje abriga a Confeitaria Manon), a Cavé funciona  desde 1999, num prédio vizinho, onde era a Chapelaria Radiante, também no Corredor Cultural da cidade.
Tradicional em doces e salgados finos é uma ótima pedida para o lanche de final da tarde ou para aqueles dias que o tempo está curto para almoçar.
Da cozinha portuguesa, sua especialidade, saem cerca de 40 tipos variados de doces. E seu carro-chefe é o pastel de belém (nata) e as queijadinhas maravilosaaaas. Recomendo experimentar o pastel de carne (R$6 a unidade), um clássico.
O salão nos fundos da casa abriga espelhos de cristal e vitrais maravilhosos. Vale experimentar o Príncipe Valente (combinação de sorvetes e chantily )- 20 reais.  Final de semana, serve-se feijoada, mas não a experimentei. Há o serviço de chá da tarde bem mais em conta que a Colombo e não fica atrás dela, não!
O atendimento não é muito rápido. Mas quem se importa? Os atendentes são simpáticos e os quitutes maravilhosos!
Horário de funcionamento: Segunda a sexta das 8:00 às 19:30h;sábados de 08:00 às 13:30h.
Confeitaria Colombo
Endereço: R. Gonçalves Dias, 32 - Centro
Fundada em 1894, há mais de 100 anos a Confeitaria Colombo faz história no Rio de Janeiro. O lugar é lindo e clássico. Parece que estamos nos anos 50, pois a decoração é bem retrô. E deve ser visitado, porque é um lugar realmente especial. Ah! Também é conhecida não só pelos doces, como também pelo chá da tarde.
Cá estou eu, deslumbrada com a Colombo
Uma boa forma de chegar à confeitaria Colombo é pelo metrô. Eu considero um meio seguro de transporte, em
especial para aqueles turistas que ficam receosos com as coisas que escutam sobre Rio de Janeiro. A Confeitaria é mais um ponto turístico do que um lugar onde encontrar nativos da cidade maravilhosa. Mas tomar um cafezinho e saborear um daqueles doces que desafiam a lei da gravidade é um ótimo programa além de apreciar os detalhes da decoração e a arquitetura deste belo lugar. Para aqueles que gostam de comprar lembrancinhas, existe uma lojinha que vende copinhos e outros gifts com o nome da confeitaria, mas uma boa alternativa são os brownies e bolos em latinhas bonitinhas- um pouco caros, mas valem a pena! rsrs.



Vale a pena também apreciar os salões decorados com espelhos belgas e bancadas de mármore italiano e experimentar o famoso biscoito Leque, clássico apreciado por várias gerações.
http://www.confeitariacolombo.com.br/site/produtos/
Durante o verão, às quintas e sextas-feiras, serve-se  um chá especial, a partir das 17:00 hs até o encerramento. Para maiores informações o telefone é 21-2505.1500.
O happy hour  é  concorrido e é necessário reservar os lugares. O preço  é em torno de 55 reais por  pessoa com tudo incluso - doces, salgados, bebidas etc. Das 17:00 às 19:30. Pelo site, a impressão que dá é que o happy hour (que eles chamam de chá de Verão) é sazonal. Maiores informações, acessem o site deles: www.confeitariacolombo.com.br
Confeitaria Colombo do  Forte de Copacabana
Endereço: Praça Coronel  Eugênio Franco, 1 - Posto 6 - Copacabana
Uma filial da famosa confeitaria, não tem o mesmo brilho, atendimento e local deslumbrante, mas tem uma vista ma-ra-vi-lho-sa da praia de  Copacabana!
Há um cardápio simplificado, não menos delicioso em relação a sua matriz.
Reservas:
Serviço disponível para até 50 convidados, de terça a sexta.
Não é permitido fazer reservas para sábados, domingos e feriados.
Para efetuar sua reserva entre em contato  através do email: cafedoforte@confeitariacolombo.com.br
Nos meses de Janeiro e Julho não trabalham com reservas.
Horário de Funcionamento: de Terça a Domingo, das 10h às 20h.

Pra se jogar na diversão, curtição pura:

IMPERATOR - Centro Cultural João Nogueira
Rua Dias da Cru, 170-Méier -  zona norte
http://www.imperator.art.br


O Imperator , assim como os artistas da Zona Norte, segue a proposta multicultural de ser de todos os estilos e para todos os cariocas. Um centro de referência em artes, que devolve entretenimento de qualidade à região, transformando o local em um ponto de convergência e encontros de pessoas interessadas em cultura. Surge assim um novo propagador da economia criativa da cidade.

LAPA:
A Lapa é pura ferveção, ponto nobre dos boêmios, há muitas boas opções para todos os tipos de bolsos, para todos os gostos, para todos os públicos.  Sendo assim, optei pela referência aos sites abaixo:
Me jogando na Lapa
No berço da boêmia e da malandragem carioca, a noite e a história são as principais atrações da Lapa. Com uma grande oferta de samba, forró, chorinho e até rock — no mítico Circo Voador —, o bairro é eclético e para todos. Vcs não vão nem sentir falta da praia quando virem os exuberantes Arcos e se perderem  entre o chope, os petiscos e a música noite adentro.
Lojas de antiguidades com pretensão zero e cafés descontraídos movimentam a área durante o dia, mas sempre mantendo uma boa dose de calma.
A Lapa é cheia de vida e é o segundo bairro mais visitado da cidade.Música ao vivo e espaços culturais simpáticos contribuem para a aura mística da Lapa.
Quitutes tipicamente brasileiros e petiscos alimentam os exploradores do bairro, mas as atrações principais dali acontecem mesmo quando cai a noite.E, detalhe: por lá é tudo mais em conta.















RIO SCENARIUM
Rua do Lavradio, 20-Centro
http://www.rioscenarium.com.br/novo/

Se vcs querem ouvir uma boa música e dançar,o Rio Scenarium é parada obrigatória. A partir das 19h, diariamente, rola o som de ótimas bandas.Também há  serviço de restaurante, e pode-se  pedir ótimos sanduíches  (recomendo o de mignon, com abacaxi e fritas- uma delícia!), jantar, aperitivos e bons drinques  e cervejas. O Rio Scenarium é um bar temático, instalado em uma antiga fábrica,com uma infinidade de antiguidades espalhadas de modo aleatório pelas paredes, hall e escadas.
O local é a cara do Rio, pois respira samba, música brasileira e gente de todo tipo! Espaço agradável, muto bonito estilo retrô e vários ambientes, sempre rolando o melhor da música brasileira. Grande parte do público é formada por estrangeiros. A região (Lapa) é um excelente ponto de localização

Horário de Funcionamento:

Terça a quinta: A partir de 18:30 h
Sexta: A partir de 19 h
Entrada:

Terça à quinta-feira - R$30,00
Sexta-feira - R$40,00
Sábado, vésperas de feriados e datas especiais - R$45,00

Para reservas e demais informações ligue:(21)3147-9000 | 9001 | 9002. Tel. de emergência: 55 21 98224-2666


Choperia Empório 37
R. Maria Quitéria, 37 - Ipanema
Reduto alternativo dedicado ao rock, a casa oferece, ocasionalmente na temporada, shows ao vivo no segundo andar. No cardápio figuram petiscos como a tábua dos bruxos (com torrada de alho, pães variados, uma pasta, dois frios, dois queijos e um molho), pizzas, sanduíches, petiscos tradicionais de bar e drinques como Sangria, Bloody Mary, Piña Colada, entre outros.
O chop é bem gelado, bem tirado e sai a 6,50 reais!
Amo esse lugar e me esbaldo na pequena pista, grudada no DJ - que sempre coloca as músicas que peço. Um lugar muito legal, pra ir acompanhada (o) ou não! Aliás, um lugar que me traz sorte e boas lembranças!



Galeria café
R. Teixeira de Melo, 31-Ipanema
Inaugurado em 1997, o proprietário é Claudio Lins, filho de Ivan Lins. O espaço funciona como clube noturno de quarta a domingo-público GLS-, galeria de arte com exposições bimestrais, bazar, peças de teatro, lançamento de livros, festas particulares e eventos multimídia. Trilha sonora impecável.
Entrada: 25 reais, mulheres;  35 reais, homens
Há sextas em que mulheres não pagam, outras em que há de se levar 1 k  de alimento não perecível  – nesse caso tanto homens quanto mulheres, não pagam.
Balada 00
Avenida Padre Leonel Franca, 240, Gávea

A casa é um misto de restaurante, casa noturna, lounge e bar. Belisquetes e petiscos estão entre os destaques, como as bolinhas de peixe thai (discos de peixe branco com capim limão e grão de bico) e o espacial,  porção que reúne panelinhas de siri gratinado, camarões ao pesto, boursin de cabra, crostini de espinafre, passas e gorgonzola – de 25 a 40 reais.  Para a refeição principal, a casa indica o salmão sarado, um filé do peixe grelhado com berinjela, abobrinha, abóbora, cebola, tomate, passas e nozes e ervas da Provence – 110 reais.
De sobremesa, os chocólatras podem se deliciar com o petit gâteau em profusão de chocolate com frutas vermelhas marinadas e sorvete de baunilha, chamado jojo – 30 reais.
E eu apenas me esbaldei na Pista, com música deliciosa, acompanhada de cerveja bem gelada!rsrs.
Aos domingos à noite, o público é GLS.
Entrada: Mulheres, 40 reais; homens, 50 reais
Baladas:
Fique por dentro em:
Baladas GLS

Sinônimo
Endereço Rua Mem de Sá, 118-Lapa
Até a chegada do Sinônimo, a Lapa era uma zona de festa sem muita escolha para a comunidade LGBT. Tirando o máximo de proveito do seu local, Sinônimo tem quase tudo nos seus três andares: um palco que conta frequentemente com a ilustre presença da drag Suzy Brasil e artistas igualmente fabulosos, um bar de coquetéis no piso superior e uma área de fumantes no tereceiro andar.
Sextas e sábados são as noites de música ao vivo, e os DJs residentes Sandrin Pelágio e Márcio Colt animam o pessoal a partir das 20h (um horário estranhamente cedo para a Lapa). Fica bem lotado lá dentro, portanto tente chegar cedo quando a entrada também é mais barata
Estações próximas: Metrô Cinelândia
Preço 10 reais antes das 22h; 15 reais depois das 22h.
Turismo Gay
A famosa e ruidosa Farme de Amoedo - A região que fica entre as ruas Teixeira de Mello e Joana Angélica Streets, e perpendicular à Barão da Torre, Visconde de Pirajá, Prudente de Morais e Vieira Souto, em Ipanema- é conhecida como sendo a de maior concentração de gays da cidade.
O agito começa após as 21:00h, quando um grande número de pessoas lotam os bares e restaurantes da região. Os principais points gays são:
A Casa da Lua - rua Barão da Torre, 240
Bofetada Bar - rua Farme de Amoedo, 87
Galeria Café - rua Teixeira de Mello, 31
Dama de Ferro Night-Club - rua Vinícius de Moraes, 288
Lounge 69 - rua Farme de Amoedo
Points de Azaração
O Rio é uma das cidades mais sensuais do mundo, o que torna quase impossível a solidão voluntária. A paquera come solta durante os dias e as noites, sempre à moda local, com humor, malícia, irreverência e um pouquinho de marra carioca. Mas essa marra é só fachada. O carioca está sempre aberto a conhecer gente, como diz o hit dos anos 90: “Solteiro no Rio de Janeiro, parado em qualquer praia, sou solto em qualquer lugar. Corpos malhados, sorrisos talhados: Só flerte, só a fé.”
http://blog.rioaovivo.com/solteiro-no-rio-de-janeiro/
http://vejario.abril.com.br/materia/cidade/bares-solteiros-rio-de-janeiro/
http://postozero.com/experiencias/paquerar-e-conhecer-gente
MOMENTO CULTURAL
Forte de Copacabana 
Ocupando uma área total de 114.169 m2 , o Forte de Copacabana foi inaugurado em 1914, sendo então considerada a mais moderna praça de guerra da América do Sul. Construído em forma de casamata, com 40.000 m2 de área e12m de espessura em suas paredes externas, o forte contava com canhões alemães Krupp, alojados em cúpulas encouraçadas e móveis. Dotado de usina elétrica própria, depósitos de víveres e munição, refeitório, cozinha, Museu Histórico do Exército, aberto diariamente à visitação pública e é palco de diversos eventos culturais.
alojamentos e enfermaria, serviu como Unidade de Artilharia e foi palco de acontecimentos importantes de nossa história, como o "Dezoito do Forte". Atualmente, abriga o
Oficialmente denominado como Museu Histórico do Exército / Forte de Copacabana (MHEx/FC), computa atualmente um fluxo de cerca de dez mil visitantes por mês, constituindo-se em um dos mais belos cartões-postais da cidade. O turista pode escolher entre a visita restrita (apenas às áreas externas) e a completa (incluindo o interior do forte e o Museu histórico-militar).
Construído em 1914, com o objetivo de reforçar a defesa da Baía de Guanabara, o Forte de Copacabana foi palco de uma das rebeliões que fizeram parte do Movimento Tenentista de 1922. Em 1987, a fortificação foi desarmada e se tornou sede do Museu Histórico do Exército, que exibe armas, objetos e painéis que representam as conquistas militares do país.
A visita inclui exposições, exibições de vídeo, maquetes e um setor interativo. Além de observar os canhões alemães Krupp, fabricados no início do século 20 e montados na casamata à beira mar, o visitante pode ter uma bela visão panorâmica do local.
X Rio Harp Festival 2015
O Museu Histórico do Exército e Forte de Copacabana recebeu o X Festival Internacional de Harpas 2015 nos dias 2, 3, 16 e 17 de maio, no Auditório Santa Bárbara.
O festival promove uma habitual volta ao mundo em torno deste instrumento musical, que é um dos mais antigos da história da humanidade.
Confira a programação completa no endereço: http://www.musicanomuseu.com.br/
Ingressos:
Adultos – R$ 6,00
Maiores de 60 anos – R$ 3,00
Estudantes – R$ 3,00
São isentos de pagamento: Militares das Forças Armadas, maiores de 80 anos, grupos escolares agendados e menores de 10 anos.
Sem estacionamento no momento.
IMPERATOR - CENTRO CULTURAL JOÃO NOGUEIRA
Rua Dias da Cru, 170-Méier -  zona norte
http://www.imperator.art.br/

O Imperator , assim como os artistas da Zona Norte, segue a proposta multicultural de ser de todos os estilos e para todos os cariocas. Um centro de referência em artes, que devolve entretenimento de qualidade à região, transformando o local em um ponto de convergência e encontros de pessoas interessadas em cultura. Surge assim um novo propagador da economia criativa da cidade.



M.A.R: Museu de Arte do Rio
Praça Mauá, 5, Centro 
Eu tive a sorte, em abril,  de ver uma linda exposição - Rio: uma paixão francesa, que reúne registros feitos por artistas como os brasileiros Marc Ferrez, Augusto Malta e José Oiticica, os franceses Raymond Depardon e Vicent Rosenblatt, o marroquino Bruno Barbey e o romeno Ghérasim Luca, entre outros expoentes da produção fotográfica do século 19 à atualidade.
Horários: TERÇA A DOMINGO das 10h às 17h
Entrada – Inteira : 8 reais;  Meia: 4 reais
Meia entrada:
Pessoas com até 21 anos
Estudantes de escolas particulares (Ensino Fundamental e Médio)
Estudantes universitários
Pessoas com deficiência
Servidores públicos da cidade do Rio de Janeiro
Nos demais dias, gratuidade para:
Alunos da rede pública de Ensino Fundamental e Médio
Crianças com até 5 anos de idade
Pessoas com idade a partir de 60 anos
Professores da rede pública de ensino
Funcionários de museus
Grupos em situação de vulnerabilidade social em visita educativa
Vizinhos do MAR
Guias de turismo
http://www.museudeartedorio.org.br/acontece
Museu de Ciências da Terra
Avenida Pasteur, 404 - Urca
As coleções do Museu de Ciências da Terra resultam dos trabalhos realizados por várias gerações de geocientistas que passaram pelo Serviço Geológico e, mais tarde, pelo DNPM. 

No seu valioso acervo, destaca-se a exposição permanente de coleções de minerais, rochas, fósseis e meteoritos.

De terça a domingo, das 10h às 16h.
Entrada Franca



Museu Amsterdam  Sauer
Rua Garcia D'Ávila, 105 – Ipanema/Leblon
www.amsterdamsauer.com.br
É um museu muito bonito e muuuito agradável aos olhos. É para quem aprecia pedrarias e joias. Para quem não tem interesse, tudo vai parecer lindo demais, porém repetitivo e chato. O museu mostra muitas joias, mas infelizmente não mostra a história de sua confecção, o que deixa a desejar.
São expostas mais de 3 mil gemas brutas e lapidadas - esmeraldas, rubelitas, turmalinas, topázios  imperiais ,águas-marinhas, dentre  as outras milhares. É o único do mundo que retrata réplicas das  minas em tamanho natural, fazendo-nos viajar por um Brasil do ciclo do Ouro.
Horário de funcionamento:
De segunda a sexta das 9.30h às 18h; sábados das 10 às 14h.
Entrada Franca


Museu Nacional de Belas Artes
Av. Rio Branco, 199 - Centro
O Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro é, sem sombra de dúvidas, um belíssimo museu. Sua arquitetura, tanto por dentro, quanto por fora é um show a parte. Em relação às exposições, há um acervo fixo e um temporário, tornando-se um museu que vale sempre a pena retornar. Suas estátuas gregas e corredores longos são lindíssimos. Mais um ponto a favor para o museu é que desde o início do ano ele está com entrada franca e, devido ao passaporte carioca, este e tantos outros museus do Rio também estarão oferecendo entradas gratuitas durante o ano de 2015. Vale muito a pena conhecer e aproveitar para fazer um passeio pela Cinelândia,
conhecendo o rico entorno cultural.
O museu tem  um rico acervo, é  um dos mais importantes do Brasil. O edifício que o abriga é um capítulo à parte, bonito e imponente. Fica ao lado da também rica Biblioteca Nacional – ma-ra-vi-lho-sa!- e em frente ao extraordinário Theatro Municipal do Rio.
 O MNBA guarda preciosidades de gênios das artes no país, como Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Portinari e outros gigantes. Na galeria de esculturas há, inclusive, obra de Auguste Rodin. O site do museu é bastante completo e apresenta parte do acervo. É um passeio imperdível na cidade.
O museu está passando por reformas por isso várias salas estão vazias ou fechadas, mas o andar superior vale a visita. A tela "Batalha do Havaí" do artista Pedro Américo, que retratou vários momentos e personalidades da história brasileira, é o maior quadro sobre cavaletes do Brasil e está ali exposta entre outras obras maravilhosas dele e de outros artistas.
Entrada:  Inteira a 8 reais e meia a 4 reais.
Entrada franca aos domingos.


O majestoso Theatro Municipal em frente ao Museu
Biblioteca Nacional fica ao lado do Museu
Veja mais sobre museus do Rio:
https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=museus%20do%20rio%20de%20janeiro%20lista

CCBB-Centro Cultural Banco do Brasil
Rua Primeiro de março, 66 – Centro
http://culturabancodobrasil.com.br/portal/rio-de-janeiro/

Funcionamento: de quarta a segunda, das 9h às 21h.
Em abril, fui à exposição retrospectiva e interativa do pintor mineiro Carlos Bracher, considerado um dos grandes mestres brasileiros a deter o domínio da pintura a óleo sobre tela; abrange 86 obras de suas principais fases, além de performance ao vivo. A mostra, multimídia, conta com a exibição de vídeos-documentários
Eu , em Exposição de Monet-CCBB
sobre o artista.Muito bom!
Exposição: 15 de abril a 01 de junho/ 2015
No alto, o Tocador de Pífano, de Monet
O CCBB está aberto ao público de quarta a segunda (fecha na terça), das 9 às 21 horas.
Entrada:
Exposição e programa educativo – Acesso gratuito.Artes Cênicas (teatro, dança e ópera) e música: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia-entrada).
Cinema: R$ 4,00 (inteira) e R$ 2,00 (meia-entrada), por sessão.
Nos eventos gratuitos, as senhas são distribuídas com 1 hora de antecedência ao início da
respectiva sessão.
Clientes do Banco do Brasil, estudantes, professores da rede pública e maiores de 60 anos pagam meia-entrada, mediante apresentação de documento comprobatório.
A compra de ingressos para os espetáculos também pode ser realizada das seguintes formas: Acessando o site www.ingressorapido.com.br ou por meio do televendas (21) 4003-1212

Casa Laura Alvim
Rua Vieira Souto, 176 – Ipanema
 Horário: De terça a domingo, das 13h às 21h
Entrada Franca
Tive a oportunidade de ouvir  “Música na Varanda”  com artistas da nova geração cultural carioca. Shows ao vivo, DJ sets, exposições ou intervenções artísticas ocupam quinzenalmente,
aos domingos, a partir das 15h, o varandão do terceiro andar da Casa Laura Alvim, bem de frente para o mar.
Livraria da Travessa -  Ipanema
Rua Visconde de Pirajá, 572

Horário de funcionamento:
2ª a sábado, das 9h às 23h
Domingos  e feriados das 10h às 23h
.


Livraria da Travessa - Shopping Leblon
Av. Afrânio de Melo Franco, 290 - loja 205 A

Horário de funcionamento
2ª a 5ª, das 10h às 23h
6ª, sábado e véspera de feriado, das 10h às 24h
Domingos e feriados(dias úteis), das 12h às 22h
Feriados(sábados), das 10h às 22h.
Acho a Travessa – adoro a tranquilidade  da de Ipanema- uma livraria super icônica e tem aquele ambiente extremamente swag (legal, maneiro), onde você pode tomar café, acompanhar a literatura e se sentir um intelectual (é assim que me sinto lá dentro). O café da livraria da travessa é muito interessante justamente por estar dentro de uma das minhas livrarias preferidas, no segundo andar. Serve coisinhas gostosas que vcs podem consumir junto aos livros adquiridos na parte de baixo. Destaque para a seleção musical sempre espetacular, que funciona no mesmo andar. Recomendo a vista.
A livraria está também na Barra, em Botafogo e no Centro (Av. RioBranco,  7 de setembro e na 1º  de março-CCBB)
.
Por que ir?
Porque os livreiros procuram fazer de tudo para conseguir um livro para o cliente, se houver essa possibilidade. É uma das poucas livrarias em que o atendimento é personalizado e onde se procura ter, no quadro de livreiros, ao menos um especialista em cada setor (com a exceção da seção de autoajuda). A Travessa possui mais filiais – veja logo acima -mas a de Ipanema, conhecida como Travessão, é a que mais chama a atenção, tanto pelo tamanho, como pelas personalidades que lá  frequentam diariamente. Também possui um bom acervo de CDs e DVDs.
Saraiva no Village Mall
Mas não tentem pechinchar sem um bom motivo. Bem capaz de ouvirem  um não, ainda que educado.
Saraiva Mega Store Villa Mall
Conheci também a Saraiva no luxuoso Shopping Village Mall e fiquei estupefata com o que lá vi: espaço aconchegante, muito bem organizado, deslumbrante e impressiona a quantidade de livros!Vale muito a                                                                           pena conferir!
Veja mais livrarias em:
www.travessa.com.br/wpgNossasLojas.aspx
https://pt.foursquare.com/rio_nota10/list/as-10-livrarias-mais-aconchegantes-com-bistr%C3%B4
Passeios Inspiradores:

Bike Rio

A 10 reais – isso mesmo!- por mês, vcs têm o Rio em duas rodas! E vcs só pagam se usarem! Puro deleite, pura inspiração!Rsrs
Bike Rio é o sistema de bicicletas públicas implantado na Zona Sul do Rio de Janeiro. O sistema foi lançado em outubro de 2011, através da parceria da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Banco Itaú, sendo operado pela concessionária Serttel. O sistema têm 600 bicicletas disponíveis em 60 estações de aluguel espalhadas nos bairros Ipanema, Copacabana, Leblon, Urca, Centro,
Lagoa, Botafogo, Flamengo, Jardim Botânico e Gávea.
O sistema hoje é atendido por algumas estações na Zona Norte, no Centro do Rio e Zona Portuária, interligando com a já existente Zona Sul. Recentemente foi implementado esse serviço nas regiões da Barra da Tijuca e Recreio Dos Bandeirantes, interligando com as praias dessa região, com pontos comerciais, shoppings, além do sistema de transporte BRT TransCarioca .
Basta ter um cartão de crédito e se cadastrar no site:
Av. Pasteur, 520 - Urca. Tel. (21)2546-8400
http://www.bondinho.com.br/
Fui a pé do Leme a Urca. Mas há várias linhas de  ônibus, entre elas a linha 511 e sai da Princesa Isabel.
Mais informações, acessem o site abaixo:      
Amei o passeio, lugar totalmente revitalizado com opção de passeios pelas trilhas. Em breve, será inaugurado um super restaurante. 
Em sintonia com a natureza
No local também há passeio de helicóptero – sete minutos saem a 260 reais!-e antes da saída do bondinho, há as recepcionistas que oferecem fotos mas vcs não precisam aceitar, mesmo porque o preço é salgado. Eu optei por não querer, mas mesmo assim todos tiram a bendita foto antes de “embarcar”- difícil escapar! rsrs
Vale a pena o passeio porque vcs podem ficar o dia todo por lá e a visão que se tem do alto é divina e realmente inspiradora!
Abertura da Bilheteria:  8:00
Fechamento 19:50
Adultos - R$62,00  Menores  de 6 anos - Grátis
Meia-entrada:
Idosos,
Estudantes
Portadores de Necessidades Especiais

Mais informações no site:
www.bondinho.com.br


Praia Vermelha - Urca
Do alto do Pão de Açúcar
Trilha Verde 

Matando a saudade dos bons tempos do bondinho,hoje desativado
É de tirar o fôlego!
Corcovado
Rua Cosme Velho, 513-Cosme Velho
http://www.parquedatijuca.com.br/corcovado

Situada no morro do Corcovado (significado=corcunda, curvo), a estátua do Cristo Redentor é o símbolo do Rio e um dos seus principais pontos turísticos. Do alto do Corcovado, e aos pés do Cristo Redentor, o turista tem uma visão panorâmica total da cidade. A vista é de tirar o fôlego, principalmente em dias ensolarados.
A estátua tem 38 metros e está colocada no alto dos 710 metros do morro do Corcovado. O Cristo teve sua pedra fundamental lançada em 1922 e a sua inauguração se deu em 12 de outubro de 1931. A construção começou com a retomada da ideia, em 1859,  pelo Padre Maria Boss,  de construir um monumento religioso para se comemorar o centenário da independência do Brasil. O desenho da estátua do Cristo Redentor é de Carlos Oswald e a execução foi do escultor francês Paul Maximilian Landowski.

Em 2002 o Cristo Redentor ganhou acesso mecanizado, com elevadores panorâmicos e escadas rolantes. Assim, os turistas não têm mais que subir os 220 degraus que levam até a estátua. 
Lá, sentimos o quanto somos pequenos e o quanto estamos próximos de Deus. Indescritível o local, as sensações, as emoções. Olha-se pra  todos os lados e há uma beleza estonteante e inexplicável da presença do Divino.
Passar pelo  bairro Cosme Velho é ponto obrigatório - o bairro é impregnado de história - e de lá pode-se pegar o trenzinho elétrico que sai a cada meia hora, conforme as condições do tempo, é claro. Leva 20 minutos para atravessar a exuberante floresta e chegar ao topo.
Saiba mais em:
Outra alternativa para o passeio segue abaixo:
BILHETERIA
Praça do Lido – Av. Atlântica-Copacabana
Tel:( 21) 2225-0401
Há pontos de venda no Largo do Machado- em frente à Igreja Nossa Senhora da Glória e em Sta Tereza (Estrada das Paineiras, s.n. em frente ao antigo Hotel)
Mais informações no site abaixo:
PREÇOS:
R$ 62,00: alta temporada, finais de semana e feriados
R$ 51,00: baixa temporada
R$ 27,00: crianças de 06 a 11 anos e brasileiros ou estrangeiros residentes a partir de 60 anos.
O bilhete inclui o trajeto de ida e volta e a entrada no Corcovado.
REGRAS:
O voucher adquirido pela internet deve ser trocado na bilheteria de Copacabana.
Só utilize vans oficiais do Parque Nacional da Tijuca.
A troca de data do bilhete adquirido deverá ser feita no site, de acordo com a política de troca e cancelamento prevista no regulamento.
Indescritível a sensação de estar aos pés do Cristo, com o Rio a nossos pés. Emoção pura, cenário de tirar o fôlego!!!!
Veja mais  fotos do Cristo em:
http://www.buzzfeed.com/clarissapassos/27-fotos-que-celebram-a-beleza-do-cristo-redentor#.fx7jwn60a

Cosme Velho
Transitando por ladeiras em  Cosme Velho
Cosme Velho é o último bairro da zona sul da cidade do Rio de Janeiro -próximo ao bairro de Sta Teresa-com população predominantemente da classe média e média alta, excluindo-se a população habitante das comunidades, hoje uma constante na maioria dos bairros de toda a cidade.O bairro recebeu este nome em homenagem ao comerciante português Cosme Velho Pereira que, no século XVI,
Largo do Boticário
morava na parte mais elevada do Vale do Carioca. Na parte mais baixa do vale existente havia grande número de laranjeiras, também originando o nome do bairro vizinho.  No final da Rua Cosme Velho encontra-se o Túnel Rebouças, que permite o acesso aos bairros contíguos de toda zona sul, bem com Santa Teresa, pelas ruas Conselheiro Lampreia ou pela Ladeira do Ascurra. Em sentido contrário, descendo a Rua Cosme Velho, chega-se a Laranjeiras, Largo do Machado, Catete, Flamengo e Glória.

O Cosme Velho ainda guarda o charme dos bairros marcados pelo passado. Residência de pessoas, foi (ou ainda é)  endereço de artistas, escritores e compositores, bem como de personalidades que escreveram a história do Rio antigo e contemporâneo como:
Machado de Assis, Manuel Bandeira, Euclides da Cunha, Austregésilo de Athayde, Alceu Amoroso Lima, Cecília Meireles, Roberto Marinho, Jorge Mautner e muitos outros.

Estação do trenzinho 
Bica da Rainha
Instituto Cultural  Austrégésilo de Athayde


Musel Internacional de Arte Näif do Brasil
Cosme Velho é um bairro que parece parado no tempo. Aos pés do Corcovado, ele é cheio de casas coloniais coloridas e ruas de paralelepípedos, além de uma boa dose de verde e paz. Bem tranquilo, o pedaço fica a caminho do Cristo Redentor e Santa Teresa, e também ao lado de Laranjeiras. Ótimo para quem procura pelo lado bucólico e natural do Rio.A rua de paralelepípedos, o canto dos pássaros, o verde, tudo é encantador por lá!
"As casas do Cosme Velho parecem brotar do chão, tão orgânicas quanto os jardins dos arredores".
O trem que leva ao Cristo
Fascinante sentir o clima, a boa prosa das pessoas, o sossego, as ruazinhas. Sentir o Rio Antigo é resgatar nossa história.
Ruazinhas que  remetem aos contos de Machado de Assis

O Solar dos Abacaxis e seu estilo neoclássico
Cores contrastantes denotando raízes históricas
O frescor da natureza...pura inspiração!
Para saber mais, clique em: https://www.airbnb.com.br/locations/rio-de-janeiro/cosme-velho

ILHA DE PAQUETÁ
http://www.ilhadepaqueta.com.br/turismo.htm
http://www.ilhadepaqueta.com.br/comochegar.htm

Durante a travessia de balsa do Rio a Paquetá, lindo cenário da Baía de Guanabara e suas ilhas.
Ilha Fiscal, palco do último baile da Corte Portuguesa
Ilha das Jurubaíbas
Ilha do Sol, onde a famosa dançarina Luz Del Fuego criou um lugar para prática do Naturismo
Ponte Rio-Niterói

Paquetá é uma ilha deliciosa da baía de Guanabara. Linda, bucólica, é sempre mais uma parte de nossa história, uma verdadeira viagem no tempo.


Pra chegar até lá, peguei um ônibus na Princesa Isabel, em Copacabana, com destino ao Centro, próximo a Primeiro de Março. O passeio é realizado nas tradicionais barcas, próximas à Praça XV, em viagens de cerca de 70 minutos. São aproximadamente 15 km de travessia marítima, com o fantástico visual da Baía de Guanabara: Ilha Fiscal, Ponte Rio/Niterói, Ilha do Sol,  Jurubaíbas etcDurante o percurso éum burburinho só e há ambulantes engraçados. Fui no domingo e não estava tão cheios nem as barcas nem a ilha. Gostei do restaurante Quintal da Regina. Lá, os preços são bem mais em conta e o povo é uma simpatia!

Há muuuita coisa pra se ver. Recomendo ir bem cedo. Da próxima vez, irei para ficar o final de semana! Para saber mais, vale a pena acessar o sitewww.ilhadepaqueta.com.br/turismo.htm
Na ilha, aluguei uma bicicleta a 2 reais a hora e me esbaldei nas belezas e delícias daquele lugar. Vale a pena levar as crianças! Passeio legal com a família, com o namorado.
 Bilhete da balsa: 5,00
 Veja mais em:

Cemitério dos Pássaros, o único do Brasil!

A Ilha de Paquetá é um bairro do Rio de Janeiro transformado em Área de Preservação do Ambiente Cultural – APAC. Um bairro diferente para se passear com a família e com os amigos. Um bairro sem violência, onde moradores e visitantes se deslocam em charretes, "trenzinho", barcos, bicicletas ou bucólicas caminhadas. As ruas são de saibro, com muito orgulho. Os pássaros e as cigarras fazem o contraponto. As frutas são doces e a comunidade é feliz e amiga. Você é bem-vindo!
Bucolismo em toda a Ilha

Pedra da Moreninha
Praia da Moreninha
Pedra de Iracema
Pedra dos Namorados, na Praia de José Bonifácio.
Diz a romântica lenda: atire três pedrinhas de costas, em direção ao topo da pedra. Se pelo menos uma não cair, com ela fica a certeza de um amor que é correspondido e eterno.
Bairro de  Santa Teresa


Assim como os bairros vizinhos Glória e Catete, Santa Teresa é conhecida pelas construções históricas do século XIX, além de elegantes casarões construídos até os anos 40. O bairro surgiu a partir do convento de mesmo nome, no século XVIII. Foi inicialmente habitado pela classe alta da época,numa das primeiras expansões da cidade para fora do
núcleo inicial de povoamento, no Centro da cidade. Lá surgiram, então, vários casarões e mansões inspirados na arquitetura francesa da época, muitos dos quais estão em pé até hoje. O bairro recebeu ao longo de toda sua existência muitos imigrantes europeus, mas o principal
diferencial é que foi o último da cidade a fazer uso de pequenosveículos leves sob trilhos, chamados de bondes que circulavam por suas ruas. Infelizmente, dessa vez, o bondinho estava em fase de revitalização e não pude utilizá-lo.

O bairro é charmoso e salpicado de bares interessantes. Com o tempo, Santa Teresa perdeu seu status de bairro nobre assim como os demais bairros históricos da zona sul, mas tornou-se, ao longo dos anos, um bairro de interesse cultural e turístico.Tradicionalmente vivem em Santa Teresa, muitos intelectuais, acadêmicos, artistas, militares e políticos, atraídos pelas características históricas, culturais e pela qualidade de vida que o bairro proporciona. Em função desse perfil, trata-se de um bairro formador de opinião, com participação política, em movimentos populares ou mobilizações coletivas Tradicionalmente vivem em Santa Teresa, muitos intelectuais, acadêmicos, artistas, militares e políticos, atraídos pelas características históricas, culturais e pela qualidade de vida que o bairro proporciona. Em função desse perfil, trata-se de um bairro formador de opinião, com participação política, em movimentos populares ou mobilizações coletivas. Há também um

Tradicionalmente vivem em Santa Teresa, muitos intelectuais, acadêmicos, artistas, militares e políticos, atraídos pelas características históricas, culturais e pela qualidade de vida que o bairro proporciona. Em função desse perfil, trata-se de um bairro formador de opinião, com participação política, em movimentos populares ou mobilizações coletivas. Há também um grande número de organizações não governamentais instaladas no bairro, que prestam serviços e dão apoio às comunidades localizadas no entorno do bairro.

Carinhosamente chamado pelos cariocas de "Santa", o bairro é composto de várias escadarias, ladeiras e vielas tortuosas, que ligam-no aos bairros vizinhos do Centro, Glória, Laranjeiras, Bairro de Fátima, Cosme Velho, Catumbi, Catete e Rio Comprido. No alto, há uma impressionante vista, além dos acessos  -
um tanto desafiadores-para o Parque Nacional da Tijuca e o Corcovado. O acesso já foi feito pelo bonde com tração animal e elétrica, por muares alugados, linhas de coletivos,kombis e ônibus. Hoje se limita aos automóveis, bicicletas, motocicletas, táxis, veículos turísticos e pedestres. Vale a pena visitar o Convento,  o Parque das Ruínas – onde eventualmente há concertos – e o Museu Chácara do Céu além, claro, dos barzinhos  e  o fantástico  Mirante!

Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas
Rua Murtinho Nobre,169-Santa Teresa
Horário: Terça a domingo, das 8 às 20h
Entrada Franca


As Ruínas do antigo palacete, integradas às estruturas de ferro e vidro projetadas para sediar o Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas, tratam do tempo, do glamour, da sofisticação e da cultura.
Neste mesmo endereço morou uma das maiores mecenas das artes da cidade do Rio de Janeiro, Laurinda Santos Lobo, sobrinha e herdeira de  Joaquim Murtinho Nobre, Ministro da Fazenda do governo Campos Sales.
A residência, ponto de encontro do modernismo brasileiro, foi o cenário dos inúmeros saraus promovidos por Laurinda e frequentados por artistas nacionais e internacionais como Villa Lobos, Tarsila do Amaral, João do Rio e Isadora Duncan.

Com teatro, galerias de exposição, palco externo, extensas área de jardins, terraços panorâmicos e um mirante com vista privilegiada da região do Centro, Lapa e todo o contorno da Baía de Guanabara, aliado ao valor histórico e cultural do local reforça seu compromisso para com a preservação da memória do bairro de Santa Tereza enquanto patrimônio carioca.



Café das Ruínas

Do alto do Parque das Ruínas



"Painéis" das Ruínas
Museu Chácara do Céu

Escadaria Selarón – Convento de Sta Teresa


Jorge Selarón foi um pintor e ceramista autodidata chileno radicado no Rio de Janeiro. Sua maior e mais conhecida obra está na Rua Manoel Carneiro, no bairro de Santa Teresa: é a "Escadaria do Convento de Santa Teresa", também conhecida como "Escadaria do Selarón", que liga a Rua Joaquim Silva, no bairro da Lapa, à Ladeira de Santa Teresa, no bairro de Santa Teresa.
 Em 1990, Selarón iniciou os trabalhos de renovação da escadaria que estava em péssimo estado de conservação. No começo, os vizinhos zombavam das combinações bizarras de cores e, o que era pra ser um passatempo acabou virando uma obsessão que consumia praticamente todo seu dinheiro. Passou então a vender suas pinturas para financiar a empreitada e após vários anos de exaustivo trabalho, a escadaria tornou-se um sucesso, convertendo-se em um belo cartão postal da cidade.
A obra já foi matéria de muitas revistas, jornais, documentários, comerciais de TV e serviu de cenário para clipes de U2 e Snoop Dogg.  Em 2005, a prefeitura da cidade deu à Selarón o título de Cidadão Honorário do Rio de Janeiro e oficializou o tombamento da escadaria.
No dia 10 de janeiro de 2013, Jorge Selarón, então com 65 anos, foi encontrado morto, queimado, nas escadarias da Lapa. O artista estava sendo ameaçado por um ex-colaborador de seu ateliê, que queria obrigá-lo a ceder os rendimentos obtidos com a venda de quadros. Por conta das ameaças, ele andava muito triste e vivia trancado em casa.

Parque Lage
R. Jardim Botânico, 414 - Jardim Botânico
 O que fazer no local
Um dia no Parque Lage é diversão garantida e atrai pessoas de todas as idades pela diversidade de atrações. É um ótimo local para passeios em família, para uma manhã romântica ou para um encontro com os amigos, pois possui espaço apropriado para piqueniques e brincadeiras ao ar livre. Além disso, é calmo, silencioso, cheio de verde e paisagens belíssimas. Uma manhã ou uma tarde ali deixará vocês revigorados para encarar o que for!
Os jardins em formas geométricas e as pequenas grutas espalhadas pelos 52 hectares de área verde propõem descobertas e diversão para adultos e crianças. Para essas últimas, há, ainda, um parque infantil com vários brinquedos.
 Aquários - Pode-se também circular dentro de uma das cavernas artificiais e admirar os aquários incrustados nas paredes. Os 12 tanques - o maior deles com capacidade para seis mil litros - abrigam diversas espécies de peixes, priorizando espécies de biomas de rios brasileiros.
Escola de Artes Visuais (EAV)- Além da possibilidade de passeios deliciosos, onde há contato próximo com a natureza e nos quais destacam-se o lago e as ilhas artificiais, as pontes com trabalhos em rocaille, o coreto e as grutas, há a Escola de Artes Visuais do Parque Lage, fundada em 1975 e que está instalada no casarão do parque. Ela oferece uma intensa programação cultural e possui um dos mais deliciosos cafés da manhã, o Café du Lage. Charmoso e aconchegante, ele disponibiliza suas mesas nos corredores que cercam a famosa piscina do casarão onde fica a Escola de Artes Visuais. Em algumas mesinhas, à beira da piscina, as pessoas sentam sobre almofadas que ficam no chão. Ali é possível tomar um delicioso café da manhã nos finais de semana, sempre ao som de boa música. No menu, estão pães artesanais, geléias caseiras, frutas frescas, queijo minas, café, chocolate e suco natural. É também servido brunch e almoço.Horário de funcionamento - Segunda a quinta, das 9:00h às 23:00h. Sexta a domingo,           das 9:00h às 17:30h.

Fotografar - O Parque Lage oferece cenários excelentes para a prática da fotografia.
Namorar - Banquinhos são os lugares ideais para passar bons momentos românticos no Parque Lage, em meio à natureza e ao clima tranquilo do lugar.
Trilhas - As trilhas levam os visitantes a recantos com vegetação nativa e possibilitam caminhadas ecológicas que incluem um atalho para o Cristo Redentor. Esta trilha, entretanto, é de grau de dificuldade alta e exige esforço físico, não sendo recomendada para iniciantes. Em cerca de duas horas e meia de subida, os aventureiros subirão cerca de 600 metros.
O esforço é compensado com uma vista maravilhosa. O topo da trilha é nos trilhos da Estrada de Ferro Corcovado. Dali, são mais trinta minutos de subida até o topo do morro, onde vcs podem descansar, lanchar e tirar fotos da vista e na estátua do Cristo. Eventualmente, pode-se desfrutar na caminhada da companhia dos micos que transitam pelas árvores do parque.
Eu cheguei logo após o almoço e me aconselharam a não fazer naquele horário e ainda mais sozinha!
Horário:
Diariamente, das 8h às 17h (durante o horário de verão, até às 18h)
Biblioteca2ª a 5ª feira – 9h às 21h;  6ª feira – 9h às 17h e Sábado – 9h às 13h
Galerias 1 e 2 e EAV: 2ª a 5ª feira – 9h às 19h: 6ª feira, sábado e domingo – 9h às 17h
Cavalariças: Diariamente, das 10h às 17h
Portadores de necessidades especiais : A EAV possui uma rampa elétrica para cadeirantes na escada principal de acesso ao Palacete.





















Jardim Botânico
Endereço: R. Jardim Botânico, 1008 - Jardim Botânico
http://jbrj.gov.br/jardim/historia

O Parque está aberto aos visitantes de segunda a domingo, horário normal de visitação é: segundas-feiras, das 12 às 17h, e de terça a domingo, das 8h às 17h, com prorrogação de uma hora para o fechamento das bilheterias no período de horário de verão.


Entrada: 9 reais
Gratuidade para:
• Crianças até 7 anos
• Adultos a partir de 60 anos, residentes no Brasil ou em outros países que fazem parte do Mercosul.
• Estudantes da rede pública de ensino e professores em visitas escolares.
Veja mais em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Jardim_Bot%C3%A2nico_do_Rio_de_Janeiro
Vale a pena desfrutar das belezas do lugar, entre a exuberante vegetação, Memorial e outras curiosidades. Passei uma tarde muito agradável, lugar paradisíaco, retrato vivo da época do Império.
Mirante da Vista Chinesa
Endereço: Estrada da Vista Chinesa, 789 - Alto da Boa Vista  - da estrada ou ao final da Estrada Dona Castorina.
O mirante da Vista Chinesa, situado na Floresta da Tijuca proporciona uma linda vista da zona sul do Rio de Janeiro, tendo à esquerda por moldura o pico do Corcovado, ao centro o Pão de Açucar, parte da Baía de Guanabara, a Lagoa Robrigo de Freitas, mais à direita Ipanema e Leblon, tendo também por moldura do lado direito o Morro Dois Irmãos. Sem dúvida um cenário admirável e que merece ser visitado, para não falar da pitoresca e singela construção em estilo chinês encontrada no local.
Como ir :
Não existem linhas de ônibus que passam por lá. Deve-se ir de carro , táxi ou à pé para quem é adepto de longas caminhadas, como eu.  Pelo caminho é possível também ver alguns subindo as estradas com bicicletas de várias marchas.
Existem agências de eventos, passeios e viagens que levam turistas em jeeps através ao local, já que o mirante é um dos pontos de destaque de excursões, passeios ou tours pela Floresta da Tijuca.
O mirante da Vista Chinesa  fica bem próximo à um outro mirante chamado *Mirante do Imperador (também conhecido como Mesa do Imperador), estando um pouco mais abaixo deste último, ambos dentro do Parque Nacional da Floresta da Tijuca, na Serra da Carioca, chamado de setor B.
No local do mirante existe uma pequena construção em estilo Chinês, que aparenta ter sido erguida em bambu, mas na verdade foi feita em concreto armado, mimetizando ou imitando bambu em suas formas.A pintura que recobre a pitoresca construção dá o acabamento necessário que a faz parecer feita em bambu.
No local pode-se caminhar ao redor admirando a paisagem, assim como existem bancos para sentar-se à sombra proporcionada pelo abrigo.
O nome (e a arquitetura do Mirante) , segundo dizem, vem do fato do  local ter sido habitado durante algum tempo por chineses, trazidos para o Brasil no tempo de D. João VI para cultivar chá no Jardim Botânico, no início do século 19. Ali, os chineses acomodados em modestas moradias, desfrutavam de uma bela vista e, desde então, o local teria sido chamado de Vista Chinesa.

*Próxima à Vista Chinesa, um agradável recanto abriga uma mesa em concreto, no centro de duas palmeiras. Foi nessa mesa que D. Pedro I, quando desejava uma refeição em meio a uma das mais belas vistas, saía de sua residência na Quinta da Boa Vista e, com sua charrete, seguia em direção à Estrada da Vista Chinesa. Numa altitude de 487 m, a Mesa do Imperador situa-se diante de uma deslumbrante vista da cidade, contracenando urbanização e natureza. Escadas que cercam o parapeito da área levam o turista até a beira de uma rampa em concreto, fazendo com que o turista se sinta no meio de um cenário esplêndido.  O ideal é não ir sozinho.                                        
Pedra Bonita e Pedra da Gávea
Parque Nacional da Tijuca - São Conrado
http://www.airadventures.net/voo/
Rampa de decolagem em Pedra Bonita
 Indicação de meu amigo Vini do Amaral que, corajosamente, saltou em voo duplo.  A coragem ainda não veio me visitar! rsrs
Informações:
No alto da Pedra
Uma aula de voo livre através de um voo duplo de asa delta no Rio de Janeiro é uma experiência muito
especial. Em primeiro lugar, a ausência do motor permite um voo livre de ruídos e vibrações, apenas uma suave brisa tropical em seu rosto enquanto você flutua cercado pelo cenário maravilhoso do Rio de Janeiro.
Visual do alto de Pedra Bonita
Há serviço de transporte, que poderá pontualmente apanhá-los com conforto e segurança no local em que estiverem hospedados ou em outro ponto da zona sul seguindo pela orla de Copacabana, Ipanema e Leblon até  São Conrado,  um dos bairros mais bonitos do Rio de Janeiro o que torna este o ambiente ideal para a realização de uma aula inicial de asa delta. A decolagem é  da rampa da Pedra Bonita ( alt. 696m) localizada no interior do Parque Nacional da Tijuca.

A vista é deslumbrante : floresta tropical, picos rochosos maciços como a Pedra da Gávea e os Dois Irmãos, emolduram o Oceano Atlântico com suas diversas ilhas. E servem  de inspiração. Após uma breve aula teórica e um treinamento sobre os procedimentos,  dá pra se voar  de asa delta -  primeiro sobre a floresta, o campo de Golfe, as mansões, a praia de São Conrado e, por fim, sobre  o oceano. Durante o  voo de instrução,  vocês também terão  o privilégio de ver as principais atrações da cidade:  o Corcovado, o Pão de Açúcar, Copacabana, Ipanema e muito mais.
Valor: 450 reais por 7 a 30 minutos, dependendo das condições do tempo. Valor já incluso com um DVD  registrando a sua aventura! Segundo meu amigo, vale cada centavo. 
Para os aventureiros
Como Chegar na Trilha da Pedra Bonita e o que ver na Estrada das Canoas:
Chega-se  à Pedra Bonita e na trilha que a leva ao topo através de uma bela e sinuosa via, chamada Estrada das Canoas, em São Conrado.
Ao subir a Estrada das Canoas passa-se pela também conhecida "Casa das Canoas",  projetada por Oscar Niemeyr para ser sua residência e ao mesmo tempo casa conceitual. Mais acima, encontra-se um desvio que é a subida para a
rampa de lançamento de voo livre ou asa delta, ,e  onde o passageiro salta da rampa com um piloto profissional.
É a alguns metros antes da rampa de voo livre, perto do estacionamento da mesma, que fica uma placa indicando a trilha mais conhecida e de mais fácil acesso para a topo da Pedra Bonita.
Acima, Pedra da Gávea: leva esse nome em virtude do seu cume ser um platô que lembrava o cesto para observação que as caravelas levavam no topo de seu mastro, chamado gávea..
Também ao passar pelas curvas sinuosas da Estrada das Canoas, pode-se ver a Pedra da Gávea de alguns pontos, assim como se veem  paisagens muito bonitas das cercanias repletas de matas e muito verde. Na verdade, a estrada na maioria de seus trechos é cercada de densa floresta, na verdade a Floresta da Tijuca.
Nem se atrevam a irem sozinhos! Perigoso demais. Recomendam-se guias especializados.

Morro Dois Irmãos – trilha
Vidigal
Um passeio quase de graça e ainda pouco explorado na cidade do Rio de Janeiro. Vocês certamente não
vão se arrepender. Estamos falando de uma das paisagens mais bonitas do mundo e de um lugar cada vez mais procurado no Rio pelos turistas: o Morro do Vidigal. Uma favela situada entre os bairros do Leblon e São Conrado, na zona sul carioca. É dentro dela que sai a trilha Morro Dois Irmãos.
Para subir um dos morros mais famosos da Cidade Maravilhosa, deve-se pegar um táxi ou um ônibus que te deixe no pé da comunidade, na UPP,  que fica na parte baixa do morro. Saindo de Copacabana os ônibus que deixarão vcs  lá são : 557, 382, 360, 177; da Barra da Tijuca, 525, 2334, 2338, 360; do Centro do Rio 2334, 177, 2335.
Favelas Tour
Passeio preferido dos gringos que por lá “aterrissam” ...e caem de amores!
Querem  saber mais sobre as favelas e desfrutarem  de magníficos visuais?
Floresta da Tijuca
Pico da Tijuca
A Floresta da Tijuca é um dos quatro setores em que se divide o Parque Nacional da Tijuca, no município do Rio. O parque, que possui 3 .972 hectares, é a quarta maior área verde urbana do país, atrás apenas do Parque Estadual da Cantareira (7 916,52 hectares),da Reserva Floresta Adolpho Ducke (10. 000 hectares) em Manaus e do Parque Estadual da Pedra Branca (12 500 hectares), que fica na zona oeste do Rio. A Floresta da Tijuca é uma importante área de lazer com trilhas e espaços privilegiados para prática de esportes, ciclismo, corrida e montanhismo. Dispõe de praças com brinquedos para crianças, espaços reservados para churrascos, confraternizações familiares e comunitárias e restaurantes. De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, é a Área de Conservação federal mais visitada do país,11 recebendo uma média de 2 milhões de visitantes ao ano.
É um local adequado à educação ambiental de crianças e adultos, possibilitando a integração harmoniosa entre o homem e a natureza. A administração do Parque oferece passeios com guia aos sábados e domingos e, mediante agendamento, para escolas e grupos durante a semana. Diferentes empresas especializadas em turismo de aventura e ambiental também realizam passeios pela floresta. Na área cultural, abriga o Museu do Açude.
Suas inúmeras trilhas são mais ou menos demarcadas e sinalizadas. Algumas permitem passeios sem guia; em outras, este é recomendável. Entretanto, não existem restrições, pois o policiamento atua apenas em caráter informativo.
As trilhas são classificadas por diversos níveis de dificuldade, e permitem o contato com a natureza tanto para crianças e idosos, quanto para aventureiros. O Centro de Visitantes da Floresta comercializa mapas e guias a preço de custo. A obediência às regras do parque é imprescindível para a conservação das matas. Turistas podem se informar  a respeito no Centro de Visitantes.
Arpoador

Praia que se localiza entre as praias do Diabo e de Ipanema. Ponto de encontro para os amantes de um belíssimo pôr de sol, acompanhado por salvas de palmas! Fica no Posto 7.




Recreio dos Bandeirantes
É um bairro nobre da Zona Oeste – um dos mais jovens- da cidade do Rio de Janeiro, localizado na região administrativa da Barra da Tijuca. O litoral do Recreio é formado por quatro praias: Macumba, Pontal, Recreio e Reserva. O bairro possui praias mais limpas, reservadas e mais bonitas que a média da cidade.
A maior e mais agitada praia do bairro, possui ondas mais fortes e as águas mais limpas do litoral carioca. Possui diversas escolas de surfe e vôlei de praia. Tem o tamanho aproximado de 3 quilômetros. É muito frequentada por surfistas e é palco de muitos campeonatos de surfe, afins  e gravações de televisão. Aqui se tem uma praia bem família, onde se tem tranquilidade.  Com águas cristalinas e límpidas proporciona raros momentos de prazer. Ao redor há boa estrutura. praia do Pontal é caracterizada por águas mais calmas e prédios de gabarito mais alto localizados no próprio calçadão da praia, caracterizada por não haver separação entre o calçadão. A praia da Macumba, por sua vez , é mais agitada e é comum a destruição pelas  fortes ondas de seus aparatos urbanos.  Praia de pouco mais de 1 km  localizada entre a Pedra de Itapuã e o Canal de Sernambetiba. É cercada por rochas e de ondas fortes. Muito procurada para a prática de surfe. No Carnaval, os quiosques da orla
promovem o desfile de bandas.
Como é mar aberto,  às vezes é um pouco agitado. Mas ficar na areia olhando toda aquela paisagem não tem preço. Pela limitação do gabarito dos prédios em 3 andares, o sol não é bloqueado atrás das grandes construções. Seu limite vai da praia da Barra da Tijuca até a pedra do Pontal. Já a




Bairro do Surfe
Foi criado pela prefeitura o Bairro Temático do Surfe  entre Prainha e Pontal com vista a incentivar competições na área e incrementar a estrutura para prática da modalidade.

Prainha

Praia localizada entre Recreio e  Grumari,  faz parte da APA - Área de Proteção Ambiental . Prainha é uma área florestal de proteção permanente e vedada a qualquer construção, além das estruturas já existentes que servem para a manutenção da área e serviço aos frequentadores, em especial surfistas
.

Grumari
A praia do Grumari fica dentro da área de preservação ambiental do Parque da Prainha. Seu acesso é restrito a um número limitado de carros durante os finais de semana, para que suas características sejam preservadas. Praia linda e muito limpa, super conservada. A dificuldade é chegar lá, pois não existe transporte público, apenas por transporte próprio e em dias quentes não há estacionamentos suficientes.
Uma linda praia nas proximidades do Rio, para quem quer fugir um pouco do agito das praias da cidade. Na alta temporada tem que se  ir cedo pois os estacionamentos lotam, a rua de acesso é fechada e só reabre depois das 15 h. A praia é linda, cercada apenas por morros e mata!




Barra da Tijuca

Barra da Tijuca é um bairro da  Zona Sudoeste do Rio de Janeiro. É conhecida popularmente como a Miami brasileira, devido às suas avenidas largas, grandes condomínios e shopping centers.Também chamado "bairro dos emergentes é o que  mais vem crescendo no Rio de Janeiro e atualmente é considerado um importante centro gastronômico e de entretenimento da capital. Além disso o bairro é marcado pelo seu alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)
Lagoa de Marapendi
O bairro ainda pode ser caracterizado por amplos espaços verdes- Bosque da Barra- belos jardins, diversos condomínios de alto luxo de casas e edifícios, grandes shoppings, grandes empresas de informática, comunicação e agências de publicidade, além de inúmeras multinacionais que cada vez mais estão implantando suas sedes no bairro, como por exemplo, Shell Brasil, Esso Brasil, Vale do Rio Doce, Vivo, Michelin, Nokia, TIM, Unimed entre outras.
É uns dos principais centro gastronômicos e de entreterimento da cidade. Possui atrações para todas as idades como: shoppings, teatros, cinemas, arenas culturais, boates, restaurantes, lanchonetes  etc. O bairro também atrai visitantes por suas límpidas praias, consideradas por muitas as melhores para banho no Rio: a Praia da Barra.Barra , é a mais extensa praia do Rio de Janeiro com 18 Km de areias finas e claras, seis quilômetros desta praia são urbanizados com diversos serviços, o restante da praia é quase deserto com águas mais limpas, é onde está a
Praia da Reserva
Lagoa de Marapendi
que foi transformada em Área de Proteção Ambiental . A Reserva Biológica da Barra da Tijuca e é uma parte um pouco mais reservada da praia.A praia da Barra
tem ondas fortes, tubulares e muito boas para a prática do Surf e do Bodyboarding. Aqui são realizadas diversas etapas de campeonatos brasileiros e até mundiais como WT.
Se vcs preferem tranquilidade, procure a praia da Reserva, mais despovoada, onde o sossego é garantido.




Restaurantes da Barra:

Boates e Bares da Barra:

Onde se hospedar:
Albergues
Barra Lake Hostel
Hotéis
Sheraton Barra Hotel & Suítes
Royalty Barra Hotel
Hotel Praia Linda


São Conrado
Ao fundo, Praia de São Conrado
É um dos bairros mais luxuosos da cidade, dominado por edifícios residenciais de classe alta, como o Condomínio Edifício Praia Guinle e condomínios de mansões em meio às montanhas vizinhas. Conta com estabelecimentos voltados à classe alta, como o shopping São Conrado Fashion Mall e o Gávea Golf Country Club.
Ao mesmo tempo, apresenta extrema desigualdade social, pois limita-se com a Rocinha e a Vila Canoas.
Já possuiu o metro quadrado mais caro da cidade, mas se desvalorizou devido à violência, ao tráfico de drogas e à proximidade com a Rocinha.
O cartão-postal do bairro é a Pedra da Gávea, o maior bloco de pedra à beira-mar do planeta. Da rampa junto à Pedra Bonita, os praticantes de voo livre saltam de asa-delta e de parapente e  pousam no trecho final da orla do bairro, conhecido como Praia do Pepino. No bairro, sedia-se a GRES Acadêmicos da Rocinha.
Praia do Pepino
Fica ao sul da Praia de São Conrado, possui pista de pouso para os praticantes de voo livre que saltam da rampa da Pedra Bonita. Frequentemente poluída e com fortes ondas para a prática do surfe.





Praia do Pepê
A praia tem este nome em homenagem ao campeão mundial de asa delta Pepê.  Este local é um trecho da praia da Barra entre o quebra-mar até mais ou menos a barraca de sanduíche natural do falecido Pepê.  Talvez seja o ponto preferido da galera jovem, artistas e famosos na cidade do Rio.  Ali há prática de esportes aquáticos como o surfe, kitesurf e o bodyboard, stand up padlle,  aliás qualquer esporte que cai no gosto da moçada é
Monumento em homenagem a Pepê em Praia do Pepino
praticado lá.  Quando se fala em bebida e em comida, nada melhor que os sucos e sanduíches naturais da barraca do Pepê, mas por ali temos também outros quiosques, lanchonetes, bares e restaurantes para atender a todos os gostos dos frequentadores.   A orla é cercada de prédios, hotéis, comércio, bares e restaurantes. Nas areias da praia além da prática de alguns esportes a melhor atração pode ser apreciar os corpos sarados da garotada, já que os meninos e meninas do Rio são muito vaidosos e se preocupam muito com a aparência.  No calçadão pratica-se o de sempre, caminhada, corrida, ciclismo e o simples passeio apreciando a vista e bebendo aquela água de coco.
Praia do Abricó

A praia do Abricó localiza-se dentro do Parque Municipal de Grumari, após a Prainha e junto a praia de Grumari. É atualmente a única praia destinada à prática do naturismo em toda a cidade. Está afiliada oficialmente à Federação Brasileira de Naturismo (FBrN).




Restinga da Marambaia

É uma restinga administrada pela Marinha do Brasil. Suas praias públicas têm acesso restrito por ser área militar. Contudo, por vezes, algumas excursões são feitas no local com fins educacionais por escolas, famílias dos militares e, às vezes, para locação de cenas de novelas de televisão.
Maravilhosa, porém quase inacessível, faz parte da rota Costa Verde.
É uma restinga administrada pela Marinha do Brasil. Suas praias públicas têm acesso restrito por ser área militar. Contudo, por vezes, algumas excursões são feitas no local com fins educacionais por escolas, famílias dos militares e, às vezes, para locação de cenas de novelas de televisão.
Maravilhosa, porém quase inacessível, faz parte da rota Costa Verde.
Praia Vermelha-Urca
A Praia Vermelha, no bairro da Urca é cercada de um lado pelo Morro da Urca e Pão de Açucar e, do outro, pelas rochas do Morro da Babilônia. À frente deste magnífico cenário situa-se uma bela praça, onde fica a estação do bondinho do Pão de Açúcar. È uma praia tranquila e Isolada.
Embora esteja perto de um pontos mais frequentados por turistas do mundo, ou seja, perto da estação do bondinho do Pão de Açúcar, a Praia Vermelha é mais frequentada pelos moradores do bairro, não sendo considerada uma praia integrante do circuito das principais praias turísticas do Rio de Janeiro.O motivo de estar fora do foco turísitico é porque não está próxima à maior concentração de hotéis do Rio. A praia possui águas tipicamente calmas, tem por belos cenários as encostas formadas por rochedos e alguma áreas verdes das montanhas que delimitam em cada uma de suas extremidades. Ainda em suas extremidades, a praia possui duas antigas fortificações desativas, uma em cada extremidade, onde ainda podem ser vistos alguns antigos canhões que lá ficam expostos.
.
Entre as construções importantes que se destacam no local, está o IME ou Instituto Militar de Engenharia, uma das mais importantes e renomadas escolas de Engenharia do Brasil.
A Faculdade de Medicina da antiga Universidade do Brasil também já teve sua sede na Praia Vermelha e foi posteriormente demolida. A Escola Superior de Guerra  também fica no bairro da Urca, encostada na Praia Vermelha.
A Praça General Tibúrcio, que situa-se antes da praia, é bastante ampla e possui um grande monumento, muitos bancos e também um chafariz sobre espelho d´agua.
Do lado  da encosta do Pão de Açúcar, fica uma trilha ou pista de caminhada chamada pista Cláudio Coutinho, que propicia um belo passeio ecológico. E através deste caminho,  existe uma trilha que leva ao topo do Morro da Urca.

Quinta da Boa Vista
A Quinta da Boa Vista é um parque municipal no Bairro Imperial de São Cristóvão, localizado na zona norte da cidade .Constitui-se atualmente em um complexo paisagístico público de grande valor histórico. Nas dependências da Quinta localiza-se o Museu Nacional de Arqueologia e Antropologia, instalado no local do Paço da Imperial Quinta de São Cristóvão (também chamado cronologicamente de Paço de São Cristóvão (1803-1809), Palácio Real (1810-1821), Palácio Imperial (1822-1889) e atualmente

também como Palácio de São Cristóvão) , sendo esse edifício um magnífico palácio em estilo neoclássico.
Também localizava -se na Quinta, o Palácio Leopoldina, demolido nos anos 1930 para dar lugar ao atual Jardim Zoológico do Rio de Janeiro.
A Quinta da Boa Vista é um parque municipal no Bairro Imperial de São Cristóvão, localizado na zona norte da cidade .Constitui-se atualmente em um complexo paisagístico público de grande valor histórico. Nas dependências da Quinta localiza-se o Museu Nacional de Arqueologia e Antropologia, instalado no local do Paço da Imperial Quinta de São Cristóvão (também chamado cronologicamente de Paço de São Cristóvão (1803-1809), Palácio Real (1810-1821), Palácio Imperial (1822-1889) e atualmente também como Palácio de São Cristóvão) , sendo esse edifício um magnífico palácio em estilo neoclássico.Também localizava -se na Quinta, o Palácio Leopoldina, demolido nos anos 1930 para dar lugar ao atual Jardim Zoológico do Rio de Janeiro.

Alto do Joá-Praia de Joating
Ponto importante de sua geografia é a Pedra da Gávea, cujo ponto culminante é um de seus limites. Já junto ao oceano, encontra-se a praia da Joatinga, localizada dentro de um condomínio,  mas de acesso livre ao público. Na ponta do Marisco, uma pequena península no fim da praia, está o clube Costa Brava,  lindo projeto de Ricardo e Renato Menescal, fundado em 1962.
De frente para uma das vistas mais deslumbrantes do Rio, na Estrada do Joá, dois imóveis que um dia foram símbolos da vida noturna carioca definham há anos. Do antigo Cassino Royale, ( uma casa noturna – balada com música impecável e  cenário lindíssimo) que foi point nos anos 1970, - e que eu tive o prazer de conhecer - só restou o esqueleto; e o restaurante Tanaka, abandonado desde o início dos anos 2000, segue pelo mesmo caminho.
Village Mall
Av. das Américas, 3.900 - Barra da Tijuca
http://www.shoppingvillagemall.com.br/

Inaugurado  em dezembro de 2012, o luxuoso  shopping é cercado pelo Barra Shopping, o New York City Center e o condomínio Península, na Lagoa da Tijuca, e foi construído em um dos últimos terrenos livres da Avenida das Américas, entre o supermercado Wal-Mart  e o Centro Empresarial Barra Shopping, ao qual é interligado. O projeto foi feito pela Multiplan e o investimento estimado foi de cerca de 500 milhões de reais.
Seu teatro, o Teatro Bradesco Village Mall, possui capacidade para 1.060 pessoas e cadeiras idênticas às do Carnegie Hall, famosa casa de shows de Nova York. O shopping também conta com quatro salas de cinema "Cinemark Prime" com tecnologia de última geração ; uma área de 1500 m² para eventos, além de restaurantes no terraço com vista para a Lagoa da Tijuca. As 105 lojas – incluindo 8 âncoras e mega-lojas – são distribuídas em três pisos interligados por escadas rolantes e elevadores panorâmicos. Possui 1.700 vagas de estacionamento e 25,5 mil m² de área bruta locável.
Ah,esse  shopping inaugurou a primeira loja oficial da Apple no Brasil- a Apple Store.
Shopping dos muuuuito endinheirados!
Vale mais fotografar -lugar lindíssimo, vitrines ainda mais- do que comprar já que  os preços são absoluta e absurdamente impraticáveis. Há restaurantes requintados  como o Pobre Juan-que de pobre não tem naaadaaaa rsrs e o do Chef Claude Troigrois (CT Brasserie) e uma vista maravilhosa –dá pra descansar legal no bem projetado lounge, dentre outros espalhados pelo shopping- , na “varanda” que fica no último pavimento.
Mais um lugar  para espairecer e admirar as belezas do Rio do que para compras!
Quando lá estive, visitei a feira dos Food Trucks, a sensação do momento... sensacional!
Pedra do Leme – Praia do Leme

Situa-se no início do Leme(Posto 1), praia com aproximadamente 1 km de areias fofas e claras e águas normalmente próprias para o banho.
No costão ao pé do morro, há o disputado "Caminho do Pescador", onde se pratica a pesca de arremesso ou a tal pesca “urbana”. Para os mais atirados há também um lugar fazer uns saltos. Um lugar com direito a um pôr do sol fascinante. Lá há  dois quiosques muito bons , com um cardápio de respeito e também, nos finais de semana, a
festa Disritmia ( quase alternativa, com MPB, festa gratuita e com gente descolada ) e um visual capaz de nos fazer felizes por estarmos vivos- a  melhor sessão de terapia. Além de ter as  praias do Leme e de Copa a seus pés.
Caminho do Pescador: Passarela construída entre o Morro do Leme e o mar, utilizada sobretudo por pescadores também atrai turistas pela vista. É um passeio acessível inclusive a cadeirantes. Vale a visita apesar de alguns pescadores se esforçarem em manter o local sujo.
E fiquem atentos: Em caso de ressaca resista à tentação de ver as ondas de perto – há vários casos de acidentes – com mar calmo não há riscos.
Morro do Leme

É uma reserva quase intocada de montanha e floresta. No topo do Morro do Leme fica a antiga Fortaleza Militar. Sobe-se  ao topo a pé, por uma estrada sinuosa e pitoresca, uma bela caminhada ecológica com  cerca de meia hora. Até  há algum tempo, a estrada era aberta somente nos fins de semana e feriados, mas atualmente funciona de terça a domingo.
É uma boa ideia levar uma garrafa de água, pois no topo da montanha não tem bar. A melhor hora para ir é durante a manhã. Não é permitido subir no fim do dia.
Para quem está acostumado a caminhadas e trilhas, o trajeto não é difícil. Mas para pessoas com mais idade ou não acostumadas a caminhar, a subida exige esforço físico acima da média.

Quando se chega ao topo, pode-se visitar as dependências da Fortaleza, assim como se tem uma vista privilegiada que inclui a entrada da Baía de Guanabara, o  Pão de Açúcar, a Praia de Copacabana, ilhas oceânicas, Montanhas da Floresta da Tijuca, Corcovado e a distante Pedra da Gávea. Para quem se interessa por história e pela antiga tecnologia militar, existe outra razão para fazer esta caminhada, que é visitar a Fortaleza e os canhões do Forte do Leme ou Forte Duque de Caxias.

Forte do Leme

Como chegar lá:
Siga pela Av. Atlântica que margeia a praia até a Praça Almirante Júlio de Noronha, no  Leme.  Nessa praça fica um complexo  de instalações do Exército chamada CEP, que é um Centro de Estudos e Capacitação. Perto do portão de entrada, vcs podem adquirir um ingresso para a caminhada de subida e visitar o Forte. A entrada é pelo CEP.
O local fica aberto à visitação somente de terça a domingo de 9h30 às 16h30. Visitas guiadas para grupos somente com agendamento prévio.
Ingressos a 5 reais.
*No local, havia em determinada hora, transporte nas dependências internas através de kombi ou Van pertencente ao Exército para quem não pode subir à pé e, nesse caso, era cobrada uma taxa para o transporte, além da taxa de ingresso no local. Este transporte não é regular  e deve ser verificado previamente a sua possibilidade e os horários do mesmo se ainda estariam disponíveis.
O telefone para verificar os horários e demais informações é (21) 3223-5076 / 2287-3781.
Dica: Idosos e pessoas com dificuldade de locomoção podem solicitar na bilheteria o transporte motorizado.
Lagoa Rodrigo de Freitas
Avenida Epitácio Pessoa e Borges de Medeiros, s/nº  zona sul
Estacionamento: gratuito
Horário: Diariamente das 9h às 18h.
A Lagoa conta com  2,4 milhões de metros quadrados de superfície e  sobre o seu espelho d'água praticam-se esportes aquáticos como o remo, ou simplesmente passeia-se de pedalinho. Em seu entorno,  encontram-se um
estádio de remo (Estádio de Remo da Lagoa), uma ciclovia pavimentada  com 7,5 km de extensão, diversos equipamentos de lazer e quiosques de alimentação, que oferecem itens da gastronomia regional e internacional. Aí, se encontram também alguns dos mais importantes clubes da cidade. Desde 1995, na época de Natal, há a tradição de se montar uma gigantesca árvore de Natal iluminada, aproveitando o seu espelho d'água-o que torna o já lindo visual em cenário deslumbrante!


Mirante do Leblon
Final da praia, início Av. Niemeyer, s/n

No local, há um grande deck apoiado sobre as rochas. Lugar para relaxar e apreciar uma vista espetacular da Praia do Leblon, Praia de Ipanema e Arpoador.
No local há também uma homenagem aos mortos no acidente da Air France em julho de 2009 - nada tétrico, apenas um painel de vidro com os nomes da vítimas. Lá, há  dois quiosques que vendem bebidas, água de coco etc.



Igreja Nossa Senhora da Candelária
Praça Pio X, Centro 
Aproveitem  para visitá-la quando fizer um giro pelo centro  da cidade e procure assistir a uma missa cantada. É de arrepiar!
Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro
Av República do Chile, 245, Centro

Eu gosto da arquitetura que parece um cone gigante sem a ponta do topo.  Do lado de fora, tem-se a sensação de ser menor do que a dimensão que percebemos quando entramos. Dentro é possível apreciar vitrais lindíssimos e sentir a imensidão da construção..
Independente de seu credo, não deixe de fazer sua oração sob a repousante luz colorida dos vitrais além de se deleitar com as obras de arte que lá se encontram!
È próxima à Lapa e vale a pena visitá-la!

COMPRAS:
Feira Hippie de Ipanema


A feira hippie de Ipanema é uma das mais tradicionais feiras de artes e artesanato do Rio de Janeiro. A feira vem da tradição da cultura hippie que floresceu na década de 1960 e início do anos da década de 1970 do século 20. Hoje é uma grande feira, onde artesãos e artistas plásticos profissionais, talvez alguns ex-hippies ou talvez não, vendem seus produtos como pinturas de vários estilos, apenas em telas ou emoldurados, diversos tipos de esculturas artesanais, bolsas, roupas, bijuterias e todo tipo de  quinquilharias artesanais possíveis e imagináveis.
A feira acontece aos domingos, durante o dia, na Praça General Osório entre as ruas Teixeira de Melo, Visconde de Pirajá e Prudente de Morais  em Ipanema.
Feira do Lido
Av. Atlântica - Praça do Lido - Copacabana
A feira do Lido se realiza em uma praça de Copacabana, chamada Praça do Lido, na parte que faz divisa com a Av. Atlântica. Na verdade, a feira ocupa parte da calçada e quem passeia por ali acaba caminhando por entre as barracas nem que seja por curiosidade.
São inúmeras barracas onde se acha de tudo: chaveiros, anéis e pequenos enfeites artesanais feitos de pedras brasileiras, esculturas de aves formadas por pedações de pedras coloridas coladas uma às outras, peças de roupas, bolsas, cintos, pequenas estatuetas, objetos artesanais de utilidade ou meramente decorativos.
No local também existem barracas onde se vendem comida baiana como "acarajé" e outros                 tipos de quitutes.A feira acontece aos Sábados 
Domingos: das 8 horas às 18 horas.
Artesanato na Feira Nordestina de São Cristóvão
Campo de São Cristóvão S/N - Pavilhão de São Cristóvão - Bairro de São Cristóvão -
www.feiradesaocristovao.org.br

Funciona de:segunda a sexta - das 09h até às 18h ( exceto feriados)
sábados - das 09h até 16h.( exceto feriados)
No Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas funciona a tradicional Feira de São Cristóvão que abrange tudo que envolve a cultura nordestina. A feira possui cerca de 700 barracas e lojas fixas que oferecem os mais variados artigos. Entre as mais variadas modalidades de artesanato da cultura nordestina, estão redes de balanço para deitar ou dormir, carrancas,
miniaturas em madeira, bonecos de pano, chapéus de couro, sandálias de couro, roupas de renda, e enfim, todo tipo de artesanato que envolve a cultura popular.
A feira acontece no Campo de São Cristóvão, bairro do mesmo nome, e num pavilhão também com o mesmo nome.
Os ingressos a 4 reais e  no local, existe estacionamento cobrado.




Feira Livre da Praça Nossa Senhora da Paz
A praça  Nossa Senhora da Paz fica localizada entre as ruas Barão da Torre, Visconde de Pirajá, Maria Quitéria e Joana Angélica em Ipanema, Rio de Janeiro.

Não deixem  de passar na barraca de biscoito das irmãs japonesas na esquina da Joana Angélica. A barraca de biscoito da esquina da Maria Quitéria também é show. E, em frente à Igreja de mesmo nome,  sempre têm pastéis excelentes.

Não é umas das mais baratas do Rio,
mas também não é de arrancar o couro. Além de ótimos produtos que se buscam em qualquer feira, gosto de passar por lá  pra comer pastel de carne seca com requeijão. Para as mulheres que adoram comprar produtos artesanais lá tem muitas coisas lindas! Além de bijuterias, bolsas de couro, de tecido, camisetas, vestidos, caixas com imagens do RJ e muitas coisas para casa.
Funcionava aos domingos, agora às sextas-feiras.
Feira de Produtos Orgânicos
Feira Orgânica da Urca
Av. Pasteur, 458-Praça da Medalha Milagrosa-Urca
Funcionamento: às  quintas-feiras, das 7h às 13h.
Pra quem gosta , como eu, de produtos orgânicos, vale a pena conferir. Aproveitei para experimentar  quitutes sem glúten e amei! Todos os produtos da feira são orgânicos e o movimento é intenso logo cedo.
Para saber mais, inclusive de outros locais da feira orgânica,  veja em: http://ciclovivo.com.br/


Feira do Shopping Cassino Atlântico -  Cassino Antigues Fair 
Av. Atlântica, 4.240 - Copacabana - Tel. (21) 2523-8709 Posto 6

Sábádos, de 11 horas às 19 horas
A feira de antiguidades do Shopping Cassino Atlântico, também chamada de Cassino Antiques Fair, ocupa os três pisos do luxuoso shopping, que fica em anexo ao Hotel Sofitel, no posto 6 em Copacabana. Ambiente  requintado e de bom gosto, os corredores e alas do shopping são armados os estandes e pontos de vendas 
Foto by Vini Amaral@
No local existe todo tipo de antiguidades para venda, como moedas antigas, artigos de porcelana, objetos de cristal, esculturas em marfim, bronze e mármore, tapetes, imagens e gravuras antigas, pinturas, pratarias diversas e bem conservadas, bijuterias e joias antigas e livros de arte de edições já esgotadas entre outras coisas. É comum pechinchar. Aceitam-se cartões de crédito.
O ambiente é refrigerado, circula-se pelo local andando pelas alas e subindo e descendo de escadas rolantes, num cenário requintado típico de shopping centers. No local existem bares e cafés muito bem decorados e aconchegantes, casas de chá e pode ter também música ao vivo.

O endereço do shopping pode ser o do hotel na Av. Atlântica de frente para o mar ou da Av. Nossa Senhora de Copacabana, uma das principais vias do bairro.
Veja mais em:
http://www.artes.com/sys/sections.php?op=view&artid=29
Casa Pedro
R. Visconde de Pirajá, 234-Ipanema

É uma referência na cidade. É o meu lugar, com certeza. Simplesmente surtei com a variedade, qualidade, atendimento  e com os preços. Entrei na de Ipanema, mas há outra na N.Sa.de Copacabana e  várias outras  espalhadas pela cidade.
Há de tuuudooooo: produtos árabes, judaicos, italianos, indianos, belgas, franceses, brasileiros, portugueses, naturais, funcionais...das ervas mais antigas aos cereais mais modernos, conservas, frutas secas, castanhas, produtos simples ou requintados, doces, temperos, compotas, oleaginosas, produtos pra confeitaria e as  últimas novidades do mercado gastronômico. Amei e passava por lá todos os dias pra fazer o     meu “mix”-lanche de praia rsrs. Funcionamento: das 8 às 18h, de segunda a sábado.
Rua da Alfândega - Centro
Pense em alguma coisa para comprar. .. lá tem. Encontra-se ali tudo que se precisa, é também  o paraíso das lembrancinhas. O preço é o mais baixo com certeza e a qualidade é compatível. Há vendedores criativos cantando e gritando suas promoções o tempo todo, um agito só! Equivalente a 25 de março em Sampa, em dimensões um pouco maior. 
Não custa reforçar que lugares como esse, há que se redobrar a atenção por conta dos “trombadinhas”. Não pode dar mole com a bolsa e nem se perder por lá. Sempre atentos!
Funciona em horário comercial, geralmente de 9 às 18h, mas esse horário sempre é  ampliado em datas especiais.
Recomendo ir cedo,  pois lá  fica sempre muito cheio.
Simplesmente amo brechós – além dos sebos, lojas de antiguidade - e já os frequento há décadas e  é neles que  encontro coisas incríveis, inacreditáveis de boas, bonitas e  baratas-muitas de marcas famosas, mas isso pra mim nem importa. O que me “faz a cabeça” é o charme de muitos, do pessoal que conheço nesse tipo de incursão e as  compras com ótimo custo-benefício. Nunca vou a shoppings pra comprar roupas, acessórios etc. É um estilo de vida. Infelizmente, a cultura dos brasileiros-pra não dizer preconceito-impede que  a grande maioria usufrua  desse tipo de opção: comprar roupas e afins usados- a não ser certos eletrodomésticos e  móveis. Se bem que tenho ouvido dos donos de brechós que a procura vem aumentando, mas  em função da “crise”. Lá no Rio, é muito comum famosos  e os mais jovens, descolados e preocupados com o “rumo do planeta” darem o ar da graça com frequência por eles, principalmente nos de Ipanema e Copacabana, os quais tive o prazer de conhecer e me encantar! Vale muuuito a pena visitá-los,  gastar com responsabilidade e se surpreender com a “garimpagem” e a aquisição de peças femininas e masculinas, dentre tantas outras coisas – ah, os “vintage”!- muito interessantes, muito boas e a preço melhor ainda!
Brechó de Salto Alto
*Os de Minas também são incríveis, mas  em outra oportunidade  falo sobre eles!

Catherine Labouré – Bazar e Brechó
Rua Visconde Pirajá, 207 L -Ipanema
Très Chic                            
Rua Visconde Pirajá, 303 S - Ipanema

Antigamania Novos e Usados  
Rua Visconde de Pirajá, 444  Sl 207 - Ipanema
Brechó de Salto Alto    
Rua Siqueira Campos, 143  Sl 44 - Copacabana
A Mania de Brechó       
Catherine Labouré – Bazar e Brechó
R. Marquês de Abrantes,168  Lj20 - 
Flamengo
Brechó Garimpo Carioca            
Rua Senador Vergueiro, 218  - Flamengo
Brechó Garimpo do Tempo
Rua das Laranjeiras, 143 - Laranjeiras
Camarim Baby  Brechós
Rua Fernandes Guimarães, 12 - Botafogo
Coisas da Sisi   
Rua das Laranjeiras, 21  Lj 20 - Laranjeiras





Galeria Santa Clara
R. Santa Clara, 33-Copacabana

Com Pat, ultrassimpática, em Krakatoa
Essa galeria é um shopping vertical, parecida com muitas lojas  da 25 de março de SP, só que fica em Copacabana, onde os turistas amam estar. Tem um pouco de tudo é o paraíso dos biquínis, cangas e todo o tipo de roupa de praia e moda fitness além de bolsas e acessórios. Irresistivelmente lindos, baratos e de qualidade! É muuuita coisa...em cada andar, novidades uma mais linda que a outra. O movimento é sempre intenso, mas fora de temporada é mais tranquilo. Impossível passar por lá e não se entusiasmar. Impossível não levar nada! Sem contar que o atendimento é muuuito bom. Gostei muito da Krakatoa-oitavo andar, estilo Indonésia.
Há peças de 5 a 120 reais, lindas!
Detalhe: vale lembrar que  as peças devem ser experimentadas sobre a roupa-por isso, vá de biquini por baixo.
www.acaradorio.com.br
Galeria Menescal - Shopping Center
Av. Nossa Senhora de Copacabana, 664 (entre Figueredo Magalhães e Santa Clara)-Posto 4

Nessa galeria, não esperem encontrar coisas luxuosas ou deslumbrantes. Nada se compara ao visual (e cheiro de deliciosas essências nas lojas, butiques, galerias, shoppings e calçadas!) de Ipanema ou de shoppings como o Village Mall.  Os  shoppings ou galerias de Copacabana  expressam o charme do bairro, onde  o legal é que o antigo se mistura com o novo e vcs acabam achando muita coisa bacana por ali. Dentro dessa galeria, vale muito a pena entrar para fuçar. Lá na Menescal, há lojas de marca e lojas sem marca, cabeleireiros, pet shop, loja de brinquedos, perfumaria, coisas de ching ling baratinhas, lojas de decoração, eletrônicos… uma perdição! E eu gosto de viver essa coisa histórica e turística ao mesmo tempo que o bairro tem, faz parte do DNA da cidade, é fascinante pra mim!
Essa galeria fica entre a Av. Nossa Senhora de Copacabana, 664 e a Rua Barata Ribeiro, 473 – (ela tem entrada/saída dos dois lados),  as principais ruas do bairro que vão de ponta a ponta de Copacabana, praticamente. Dentro dela há entrada para os prédios residenciais e também é onde ficam vários consultórios médicos. Isso é muito comum por lá, prédios mistos. Tem aos milhares!
Na Menescal  tem A Baalbeck-já citada por mim-, lanchonete árabe, que está lá há mais de cinquenta anos e vive lotada, muuuito boa! Tem as lojinhas da Arezzo, Melissa, Nativa (de sapatos e bolsas maravilhosas, mais estilo social, quem trabalha fora adora), loja de brinquedos, tem uma de almofadas, cortinas e tecidos lindos, no meio tem umas lojas que vendem coisinhas da China, aqueles badulaques que todo mundo adora e tem souvenirs variados que são “a cara do  Rio”  e nada caros; tem uma Soulier também, bem leve e despojada, tudo nela parece ultra confortável e tem um estilo cool, principalmente as rasteirinhas. Tem também a Amicci Joias- na verdade eu gosto mesmo é da parte de decoração! Há peças lindas de ferro e madeira e as vendedoras são muito atenciosas-vale uma visitinha! E caso vcs, meninas-ops, aqui todos falam garotas!-, precisem de uma manicure ou cabeleireiro de última hora ou quiser marcar hora também, passem ali no Jacques Janine, fica ali, do lado da Barata Ribeiro.
Mas se vcs não querem sair ali do Bairro, passem pela Rua Dias Ferreira, perto do Posto 3 e se deliciem com lojas maravilhosas.
Top Center Ipanema
Rua Visconde de Pirajá, 550

Shopping vertical que atende atacado e varejo.
O Top Center Ipanema concentra mais de oitenta pronta-entregas das principais grifes de moda do Rio de Janeiro. Os showrooms das grifes ocupam os 24 andares deste super centro, que fica na esquina das ruas Visconde de Pirajá com Aníbal de Mendonça, no badalada Ipanema. Parada obrigatória de lojistas e compradores profissionais de moda de todo o país devido às facilidades de acesso, conforto e segurança.
Veja mais sobre o Rio em::