Rosana Gimael Blogueira

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

ESTRELA CADENTE




Procuro vc no verde no azul nas cores
Do verão.
Ouço vc me chamando em paragem distante
De mim.
Sua presença é latente
E exala o seu calor             
De amor.
Olho pros lados na vã tentativa
De encontrá-lo.

O chafariz de casa tá seco
Minha boca meus olhos também.
O jardim dá sinais de total abandono
O sofá da sala imprimiu vc
Teu cheiro impregnou a casa
Os lençóis
A cama.
Tudo aqui lembra  vc.   
                                                                    
Olho pra todos os lados
E vem a sua risada
Suas palavras na calada noite.                                      
O nosso banco na praça
Está sempre vazio
A nossa música não toca mais
No coreto
Nem nas rádios.

Olho pro céu
Ali no firmamento deparo-me com uma estrela cadente
Faço um pedido
Sinto coração e corpo estremecerem de alegria
Nossas almas se reconhecem a distância!
Então, ali no cair da madrugada
No vazio do silêncio abstrato
De uma ausência sentida
Tenho resposta.

Sei que  um dia
Nos  encontraremos
E juntos olharemos pra cima.
Então veremos estrelas cadentes
Prenunciando um novo tempo.
Lá do alto virá a resposta.

E em noite estrelada e abismal
Entrelaçados, ouviremos  ressoando
Em nossos corações
A antiga canção em  nova roupagem
Dizendo
“Que ainda é meu o seu amor”!