Rosana Gimael Blogueira

domingo, 18 de janeiro de 2015

O que será do amanhã?


O que será do amanhã?

P
enso subitamente nos jovens de hoje. Penso e penso apenas. Observo-os de longe.      Prenúncio de uma noite pela frente, de verão, inusitadamente abafada por aqui.
Multidão de jovens bebendo, bebendo muito, multidão sem ídolos, multidão sem referências, multidão a esmo, multidão zumbi, multidão trôpega, multidão de riso fácil, de ideais questionáveis, multidão embalada pelo funk, pela bebida, pelas drogas....
Por onde andam as pessoas que dizem amá-los, supostamente os responsáveis¿ Por onde andam os verdadeiros ídolos¿ Já não existem ídolos. Fui de uma geração que tinha ídolos. Hoje os que  existem não correspondem, de fato, aos modelos que chamamos ídolos.
Meninas  prezam cafajestes.Meninos estão perdidos feito “cegos em tiroteio”. Pergunto a um deles  sobre as “ ficantes” ( ou seriam as bacantes¿) ao que ele me responde:”Tia (!) ,  a maioria mama na vodka ou fuma feito chaminés e no dia seguinte sequer sabe o meu nome!”....rsrsrs
Todos estão deveras ocupados em ser felizes, cada qual a sua maneira, inclusive os pais ou os que se consideram responsáveis. Ou estão ocupados demais em seus afazeres ou não querem se aborrecer com nada, nem com questionamentos dos filhos.
 Uma multidão que não tem nada a dizer.  Uma multidão que deságua no álcool pra se autoafirmar, uma multidão desconectada da realidade. Que tem a melhor escola, a melhor educação, condições econômicas privilegiadas, do bom e do melhor...e se entopem de baboseiras, não respeitam pessoas, animais, meio ambiente... incendeiam coisas, animais, gente.
Querem sempre obter vantagens, querem sempre transgredir porque sempre terão confortavelmente respaldo dos pais pra certas  coisas  obscuras...pobres deles se um dia  ficarem sem os seus!
Mas há exceções...como aquele  educadíssimo jovem argentino ali, a conversar alegremente com a amiga, filosofando sobre a vida, elogiando muito tudo a sua volta, preocupado com  o cão faminto sob seus pés, preocupado com a senhora que perdeu as chaves, preocupado com tudo  ao seu redor, discutindo sobre a saída do Papa, ouvindo uma música boa, cuidando zelosamente  da amiga ao lado, cavalheiro ao extremo, jogando o lixo no lixo...
Será que  por que está sóbrio, será que é por que tem por trás pais cônscios da missão de educar¿ ...Pais que não deixaram exclusivamente a árdua tarefa  de educar tão somente para a escola¿ Pais que sabem exatamente onde estão seus filhos agora e com quem estão¿
Não posso deixar de pensar:”É pelos frutos que se conhece a árvore”!
 s precisam de atitudes, de exemplos dos pais, assessoramento permanente, diálogo...não de hipocrisia, discurso duplo, blablablá...
Jovens precisam de amor...a humanidade está carente de amor.